viernes, 13 de enero de 2017

2011 - ROCK BRASÍLIA - Era de Ouro




Estreia: 21 de Outubro de 2011

Vencedor do prêmio de melhor documentário no Festival de Paulínia (2011).

Gênero: Documentário

111 min

País de origem: Brasil

Ano de produção: 2011



Pesquisa, Roteiro e Direção: Vladimir Carvalho

Produção: Marcus Ligocki

Direção de Fotografia e Câmera: André Carvalheira

Montagem: Vladimir Carvalho e Sérgio Azevedo

Pesquisa de Imagem: Gabriel F. Marinho e Tiago Padilha

Arte e Efeitos Digitais: Felipe Queiroz

Produção: Ligocki-Z Entretenimento e Vertovisão

Coprodução: Canal Brasil

Distribuição: Downtown Filmes




Entrevistados no filme

Renato Russo
Herbert Vianna
Bi Ribeiro
Dinho Ouro Preto
Philippe Seabra
André Mueller
Caetano Veloso
Bernardo Mueller
Hermano Vianna
Fê Lemos
Flávio Lemos
Briquet de Lemos
Dado Villa Lobos
Marcelo Bonfá
Carlos Marcelo
Carminha Manfredini
Carmem Tereza Manfredini
Sílvia Seabra
José Emílio Rondeau
Marcelo Castello Branco
Mayrton Bahia
Carlos Trilha
Gutje Woortmann
J. Pingo
Jimi Figueiredo









Uma viagem ao berço do rock brasileiro

'Rock Brasília, Era de Ouro', de Vladimir Carvalho, tem pré-estreia no dia em que se completam 15 anos da morte de Renato Russo, figura central do documentário

Por André Gomes, do Rio de Janeiro

11 out 2011 


 
O diretor de 'Rock Brasília', Vladimir Carvalho, entrevista o compositor Renato Russo, da Legião Urbana (Acervo Vladimir Carvalho/Divulgação Festival do Rio/VEJA)





O ano era 1986. Caetano Veloso ouvia as canções da Legião Urbana por intermédio do filho e dos amigos dele e não entendia como a garotada se conectava com o repertório da banda, segundo ele, de melodias quebradas e letras demasiadamente extensas. Até que resolveu chamar o grupo para uma participação no programa Chico & Caetano, que apresentava na TV Globo ao lado de Chico Buarque. Ao ver Renato Russo em carne e osso e em movimento, com a descoordenada dança que fazia a embalar os versos de Ainda é Cedo, entendeu imediatamente o motivo da admiração dos jovens por aquele que se tornaria um dos maiores ídolos do rock brasileiro de todos os tempos.


Mesmo que o cantor e letrista da Legião Urbana não seja, declaradamente, a figura central de Rock Brasília – a Era de Ouro, documentário dirigido por Vladimir Carvalho, sua figura se sobrepõe à dos outros entrevistados, de bandas como Capital Inicial e Plebe Rude. Não por acaso, a pré-estreia do filme acontece nesta terça-feira no Rio, no dia em que são completados 15 anos da morte de Russo. O filme tem outras sessões no Festival do Rio e lançamento nacional previsto para 21 de outubro. Uma entrevista inédita feita por Vladimir com Russo em 1988, e outra concedida pelo cantor em 1994 para a MTV, são misturadas a sequências que mostram o explosivo show da Legião em Brasília que terminou em pancadaria no fim dos anos 80, também registradas pelas lentes do diretor, então professor universitário.
 

Misturando material registrado em lendários shows de bandas a depoimentos antigos e atuais, Carvalho procura situar a essência do rock nascido no cerrado, feito por filhos de diplomatas e de professores universitários. As letras das canções, politicamente engajadas, também são lembradas, assim como episódios que remetem ao período de censura da ditadura militar. Ao lado de Philippe Seabra, vocalista da Plebe Rude, o diretor viaja até a cidade mineira de Patos de Minas, onde a banda fez seu primeiro show fora de Brasília, em 1982, junto com a então recém-formada Legião Urbana. Fanfarrão, Seabra lembra com humor daqueles tempos, mesmo que aquele show acabasse com todos sendo detidos por policiais graças ao teor de canções como Vote em Branco.



Apoiado na força das histórias dos músicos da chamada Turma da Colina, como era conhecido o movimento de bandas de rock nascido em Brasília no final dos anos 70, o documentário seduz aos poucos, à medida que novos e importantes personagens aparecem para dar seus depoimentos sobre o período. Emociona nos relatos sobre a vida de Russo depois do diagnóstico de Aids. Explicita a conturbada relação dos pais dos músicos com os filhos, envoltos numa carreira de incertezas. E se conecta com a audiência ao longo de 111 minutos graças à enorme força do repertório, com os créditos finais orquestrados ao som de Tempo Perdido, da Legião Urbana.






Refrão de Renato Russo conduz 'Rock Brasília', sobre geração de 30 anos atrás


Com depoimentos de artistas da capital federal, filme remonta história com trilha da Legião Urbana

LUIZ CARLOS MERTEN ,
O Estado de S.Paulo
21 Outubro 2011 | 03h08

Você não precisa ser especialmente fã de Renato Russo ou do Legião Urbana para gostar do novo documentário de Vladimir Carvalho, mas é verdade que isso ajuda bastante. Depois de inúmeras tentativas, o cinema brasileiro finalmente concretiza abordagens do artista, e da banda. O importante é que Carvalho usa o rock para prosseguir sua investigação sobre a identidade cultural brasilense. Rock Brasília fecha o que não deixa de constituir uma trilogia. Começou com Conterrâneos Velhos de Guerra, prosseguiu com Barra 68. O que tem as ver filmes tão diversos entre si? Um sobre os candangos que, sem segurança nenhuma e trabalhando como escravos, construíram a Capital Federal. Outro sobre a invasão da Universidade de Brasília durante o regime militar. O centro da cultura e do saber profanado pela violência. O terceiro, sobre o que é ser exilado na própria terra.

Que País é esse?, pergunta, ou grita, Renato Russo e a interrogação, transformada em rock, eletriza a multidão, vira palavra de ordem. Vladimir Carvalho, como cidadão e artista, não tem cessado de se fazer a mesma pergunta. Seus filmes interrogam o Brasil, tentam nos entender (e devassar). Numa recente entrevista com o diretor, na abertura do Festival de Brasília, o crítico fez uma afirmação temerária, considerando-se o currículo (e a fama) do autor. Rock Brasília é seu melhor filme. O Engenho de Zé Lins, sobre o escritor da Paraíba, já possuía uma qualidade especial, mas Rock Brasília consegue ser melhor. O próprio Carvalho brincou - "Depois de 50 anos fazendo cinema, a gente termina por aprender."

Rock Brasília soma horas de entrevistas a gravações (ou filmagens) antigas, que Carvalho já havia feito, ou comandado, como professor na UnB. Ele exortava seus alunos a pegarem a câmera paras documentar a cidade. Esse material precioso foi resgatado e montado de forma dar um testemunho. Quem foram os jovens que fizeram o rock brasiliense? Qual o seu legado? Eles vieram da classe média, filhos de funcionários, professores, diplomatas. Formaram suas bandas nos prédios das superquadras. E, de repente, à sombra do poder, nos anos de chumbo e da abertura política, estavam refletindo sobre o mundo que os cercava.

O cinema não precisa ser, necessariamente, emocionante. E emocionar-se também não significa se alienar. São as lições de Rock Brasília. Os jovens de 20/30 anos atrás voltam-se sobre o próprio passado, os pais de alguns somam suas vozes para contar as histórias de repressão. Momentos permanecem - o quebra-quebra no show do Legião Urbana no Estádio Mané Garrincha, em junho de 1988; e o grande show do Capital Inicial, na Esplanada dos Ministérios, em 2008, quando Dinho levantou o público cantando o refrão de Renato Russo Que País É Esse?. Rock Brasília é, por assim dizer, geracional. Vladimir Carvalho colocou na tela a voz de sua geração. Ao fazê-lo, dialoga com o público atual. Em Paulínia, Brasília e no Festival do Rio, as sessões de seu filme foram lindas. A expectativa é de que seja, também, nesta nova fase que se abre com o lançamento nas salas.

 

 
Dado Villa-Lobos fala sobre trajetória da Legião Urbana

Marcelo Bonfá, da Legião Urbana







No hay comentarios:

Publicar un comentario