viernes, 27 de agosto de 2021

2021 - EUROPA - CAETANO VOZ E VIOLÃO

 






AGENDA


26/8 - Hamburgo

28/8 - Paris

30/8 - Bruxelas

01/9 - Lisboa

02/9 - Lisboa

03/9 - Lisboa

05/9 - Guarda

07/9 - Porto

08/9 - Porto

11/9 - Lisboa




SET LIST

1. MILAGRES DO POVO

2. MENINO DO RIO

3. MUITO ROMÂNTICO

4. CORAÇÃO VAGABUNDO

5. TIGRESA

6. LUZ DO SOL

7. TRILHOS URBANOS

8. UM ÍNDIO

9. CAJUÍNA

10. O CIÚME

11. BRANQUINHA

12. GENTE

13. SAMPA

14. TONADA DE LUNA LLENA

15. DESDE QUE O SAMBA É SAMBA

16. O LEÃOZINHO

17. NINE OUT OF TEN

18. RECONVEXO

19. CUCURRUCUCÚ PALOMA


Via @alexlwerner 





Hamburger Abendblatt 

ELBPHILHARMONIE

26/8/2021

Caetanos warme Stimme wirkt wie eine vertraute Umarmung

La cálida voz de Caetano es como un abrazo familiar

                                                                                                              Foto: Daniel Dittus

Caetano Veloso gibt im Großen Saal der Elbphilharmonie seine beiden ersten Konzerte nach zwei Jahren

Caetano Veloso da sus dos primeros conciertos en dos años en el Gran Salón de la Filarmónica del Elba













A apresentação intimista voz e violão, celebra a exposição “Salgado Amazônia”, do fotógrafo brasileiro @sebastiaosalgadooficial em Paris.








30/8/2021 - Bruxelas












martes, 24 de agosto de 2021

2021 - THEREZA EUGÊNIA - PORTRAITS 1970 - 1980

 

Thereza Eugênia Paes da Silva 

[Serrinha / Bahia, 15 de outubro de 1939]



Obrigada, Thereza Eugênia!

Muitos Parabéns!







Thereza Eugênia - Portraits é mais que um belo livro de fotografias. É uma viagem pelos anos 1970 e 1980 na música popular brasileira desse período. As fotografias revelam a intimidade dos artistas, os bastidores dos shows e também momentos únicos que só uma artista com a sensibilidade de Thereza Eugênia poderia captar.









A retratista de 

Caetano e da MPB

Por Ancelmo Gois

28/8/2021

  

Acaba de ser lançado “Thereza Eugênia - Portraits 1970 - 1980”, pela Barléu, do querido editor Carlos Leal. Ao todo são 450 retratos feitos por Thereza Eugênia Paes da Silva, a coleguinha formada em Enfermagem, acredite!, que melhor clicou, nas décadas de 70 e 80, os bastidores da nossa MPB. Pelas lentes dessa baiana de Serrinha, mas que adotou o Rio em 1964, passaram, entre outros, Roberto Carlos, Maria Bethânia, Rita Lee, Ney Matogrosso, Elza Soares, Gal Costa e... Caetano Veloso. “Caetano foi o artista que mais fotografei”, diz Thereza. Só neste livro há uma dúzia de fotos do autor de “Alegria, alegria” (veja ao lado três delas).





A primeira vez que a fotógrafa viu Caetano no palco foi quando o artista chegou do exílio político, em Londres e fez três apresentações no teatro João Caetano, no Rio em 1972. Thereza ficou impactada com os movimentos dele em “O que é que a baiana tem?”, de Dorival Caymmi, e começou a fotografar. Nesse show, ela estava acompanhada da cantora Marina Lima, também clicada no livro. Aliás, a apresentação da obra é feita pelo imortal Antônio Cicero, irmão de Marina, poeta, ensaísta e compositor. Para ele, Thereza Eugênia “foi capaz de capturar e nos transmitir até hoje, com admirável intimidade, o estado de espírito de muitos dos grandes artistas das décadas de 1970 e 1980”. 

Hoje, aos 81 anos (“na boca dos 82"), ela não para de fotografar. Na maioria das vezes usa um iPhone 11 Pro Max (“produz uma luz maravilhosa”). Mas, volta e meia, mata a saudade de suas duas Leicas, a centenária máquina alemã.


 







FOLHA DE S.PAULO

29/8/2021

 

Livro de fotografias mostra os bastidores da MPB e a intimidade de seus astros

Caetano Veloso, Gal Costa e Gilberto Gil são alguns dos músicos que aparecem nos retratos de Thereza Eugênia

 

Claudio Leal


1972 - Gal Costa e Maria Bethânia - Foto: Thereza Eugênia/Divulgação


Fafá de Belém toma um café. Gal Costa expõe o umbigo. Maria Bethânia nada na piscina de sua cobertura. Do sofá, Maysa lança olhar melancólico para a janela. Raul Seixas está de óculos caídos no meio do nariz. Clementina de Jesus tem um jornal nas mãos. Zizi Possi acalanta a filha Luiza. Caetano Veloso retira a pena de pavão de um vaso e a leva ao rosto. Angela Ro Ro energiza um copo de cachaça e zomba de sua fama de beberrona. 

Os retratos de Thereza Eugênia existiam antes do clique. Nasciam da intimidade, de sua observação contínua do cotidiano de artistas, do repetido olhar sobre rugas e expressões. Sua mente processava todas essas experiências antes de a câmera ser invadida pela luz natural. 

Aos 81 anos, Thereza Eugênia reúne suas mais célebres fotografias de estrelas da música popular no livro "Portraits 1970-1980", organizado por Augusto Lins Soares. Quem as vê não imagina que sua autora era enfermeira e saía do hospital para registrar a vida de estrelas. 

Nascida em Serrinha, no sertão baiano, ela cursou enfermagem em Salvador e se mudou para o Rio de Janeiro em 1964. Iniciou-se na fotografia de palco nos shows "Comigo me Desavim", de Maria Bethânia, em 1967, e Roberto Carlos no Canecão, em 1970. 

Nesse ano, o rei Roberto se empolgou com uma de suas fotos e decidiu estampá-la na capa de seu disco. A partir desse batismo, o trabalho de Eugênia figuraria nas capas dos LPs "Drama 3º Ato" (1973), de Bethânia, "Temporada de Verão" (1974), de Gal, Caetano e Gilberto Gil, "Gal Canta Caymmi" (1976) e "Chama" (1981), de Joanna. 

No Teatro Tereza Rachel, em 1971, ela circulava todas as noites na plateia do show "Gal a Todo Vapor". A imersão era um método. "Como frequentava o show milhares de vezes, eu sabia o melhor momento. Por exemplo, Gal descendo a escada. Ou Gal com os braços pra cima", explica a fotógrafa apelidada de "Thereza Ingênua" pelo poeta Waly Salomão. 

Guilherme Araújo, empresário dos tropicalistas, a aproximou de Caetano, Gal, Elza Soares e Raul Seixas, artistas de sua produtora. Em seu livro, Araújo é um personagem fixado em ocasiões festivas. Outro ponto de aproximação com os retratados era a praia de Ipanema, nos tempos das Dunas do Barato. "Eu não levava minha máquina. Eu saía do hospital e ia tomar banho de mar. Como eu tinha acesso à casa deles, não precisava fotografar na praia." 

Em 1979, no Parque Lage, ela afirmou a uma fotógrafa americana que não tinha uma técnica, mas logo foi corrigida. "Você é intuitiva e suas fotos têm senso de intimidade", disse-lhe a professora. 

Ao avaliar seu trabalho, Eugênia não mobiliza conceitos, mas, acima de tudo, memórias de encontros e amizades. "Eu gosto muito do que faço. Sou muito obsessiva. Sempre procurei fazer a imagem da cara da pessoa como eu sentia. A fotografia sempre me deu prazer. Eu fotografo porque gosto. Só isso." 

Miro e Antônio Guerreiro foram suas maiores referências artísticas. "Miro fazia foto granulada. Eu fiz foto com grão inspirada nele. Guerreiro ficava só no estúdio e dizia que não sabia fotografar em ambiente externo. Ele tinha uma luz única." 

Sua câmera Pentax registrou mudanças na postura pública de artistas, na virada para a década de 1980,quando os semideuses passaram a se cercar de muros e assessores, levando ao cotidiano as transformações econômicas da música popular. 

"Eu fiz fotos da intimidade nos anos 1970. Nos anos 1980, eu tenho mais de palco. Nos anos 1970, os artistas eram menos famosos. Nos 1980, eles passaram a ficar mais profissionais e formais", ela conta. "Eles agora são reservados. Eu era a selfie deles. Hoje o artista não pode sentar no restaurante e já querem fazer selfie." 

Thereza Eugênia se divide entre dois conjugados no Rio. Em um deles, lava roupas e cozinha; noutro, dorme, telefona e se diverte. Em suas andanças, e também no Instagram, cultivou a amizade de artistas mais jovens, dentre elas as cantoras Illy e Letrux e a percussionista Lan Lanh.

Com seu celular, gosta de fotografar as paisagens naturais do Rio. Até nessas horas não lhe falta intimidade. Ela enquadra o mar e as montanhas como se fossem o rosto de um artista.






































Thereza Eugênia, a fotógrafa de estrelas

01/09/2021


Fotógrafa de artistas no Encontros extra

O Encontros da ABI com a Cultura acontece, hoje, de forma diferente, embora sempre ligado à Cultura. No centro das atenções está a fotógrafa baiana Thereza Eugênia que nas décadas de 1970 e 1980 fotografou os mais famosos cantores brasileiros em shows e na intimidade, tornando-se um ícone na área musical. Portanto, nada melhor do que ocupar o horário do Claquete Musical, programa do Paulinho Figueiredo, para falar e mostrar fotos de cantores. 

Cerca de 100 fotos dessa época estão no livro Thereza Eugênia Portraits 1970-1980, recém lançado com apresentação do escritor imortal Antônio Cícero que também está no livro, ao lado da irmã, a cantora Marina Lima. Há belíssimas fotos de Maria Bethânia, Rita Lee e Roberto Carvalho, Caetano Veloso, Gal Costa, Gilberto Gil, Chico Buarque, Roberto e Erasmo Carlos, Wanderléa, Ângela Rorô, Zizi Possi, Simone, além de grupos em festas. E Thereza, que jamais deixou de fotografar mesmo enquanto trabalhou como enfermeira até 1990, será entrevistada hoje, às 19h30, pelas jornalistas Regina Zappa e Vera Perfeito e o cineasta Sílvio Tendler.

 

A fotógrafa 

A história de Thereza Eugênia Paes da Silva, a Thereza Eugênia, também está contada no livro que levou seis anos para chegar às livrarias. Ela descobriu o gosto pela fotografia no laboratório escuro que a avó mantinha em casa, em Serrinhas, na Bahia. Herdou a paixão, mas formou-se enfermeira e levava as fotos como hobby. Só foi entender que o talento poderia se tornar profissão nos anos 1970, quando retratou sua irmã e se impressionou com o resultado. Já vivendo no Rio de Janeiro desde 1964, começou a fotografar artistas da MPB – que ela adora – em shows. “Minhas câmeras não eram profissionais, mas Bethânia e Maysa amaram o trabalho. Só que os agentes achavam que os cliques não eram comerciais. Tudo mudou quando fotografei Roberto Carlos”, conta ela. 

Uma de suas fotos, feita com uma câmera emprestada, foi escolhida pelo próprio cantor para estampar a capa do disco que levava o nome dele, lançado em 1970. A partir daí, as portas se abriram definitivamente para Thereza. Ela se tornou figura tão importante da música popular brasileira quanto os cantores. Seus retratos tinham clima intimista, eram tirados na casa dos artistas, e, assim, ela acabou fazendo amizade com eles. “Os tempos eram outros. Conseguia acompanhá-los em momentos de lazer e até os levava para minha casa. Essa confiança aconteceu também porque nunca fiz registros comprometedores ou polêmicos”, explica a fotógrafa, hoje com 81 anos, mas continua fotografando paisagens quando faz suas caminhadas na praia de Copacabana, no Posto Seis. 

Ao longo das décadas de 1970 e 1980, Thereza reuniu enorme acervo. Alguns retratos estão em seu Instagram (@therezaeugenia) e agora muitos dos registros desse período histórico da MPB estão reunidos no livro organizado pelo arquiteto Augusto Lins Soares. 

Em 1970, foi convidada a fotografar Roberto Carlos no palco. Como não tinha o equipamento apropriado, pegou uma câmera emprestada do Canecão (onde o cantor se apresentaria). O gerente da casa ralhou: “Como vocês chamam uma garota que mal sabe pegar no equipamento?”. Mas Roberto gostou e escolheu uma das imagens para estampar seu disco de 1970, uma das capas preferidas que Thereza clicou. 

“Sempre usei muita luz ambiente e de palco. Minhas fotos têm um certo senso de intimidade, entrava na casa dos artistas. Na memória dos meus fotografados, fiquei como uma pessoa que nunca fez imagens comprometedoras ou polêmicas deles”, diz. Amiga de Caetano, era a única com um câmera no aniversário de 40 anos do cantor. “São dois prazeres: ouvir e fotografar música.” 


                                                 1982 - Revista TV ilusão n° 403

Hoje, ela clica muito pelas praias do Rio com um iPhone 6 e outro 7, que alimentam parte das fotos de seu perfil no Instagram. Thereza segue fotografando paisagens e artistas. “No ano passado, Marina me ligou para clicar o show dela No Osso. Alcione quis que eu fotografasse seu aniversário, Fafá de Belém me chamou para o Círio de Nazaré.”

 

Tereza fala de alguns amigos muito próximos como Guilherme Araújo.

– Guilherme (1936-2007) foi um grande empresário, trabalhou por 15 anos com Caetano e Gal. Tinha uma relação de amizade com os artistas. Adorava ser fotografado e eu era como se fosse sua selfie. Fiquei muito amiga dele, era como um irmão e me incluiu em seu testamento. A máscara com o rosto de Gal foi uma invenção dele para o show Fantasia (1981). Mãe de Gal, Dona Mariah Costa ao ver a foto, disse: ‘A boca na máscara é semelhante a de Guilherme – conta. 

Sobre Gal Costa no show Gal Tropical revela que em 1979, Guilherme quis dar uma virada na imagem dela, mostrando Gal elegante, vestida por Guilherme Guimarães. Ela entrava no palco descendo uma escada com todo esplendor, como se dissesse ao que veio. Este espetáculo foi ovacionado pela crítica e ficou um ano em cartaz. Estrelas de cinema como Liza Minnelli e Ursula Andress vinham para o Carnaval do Rio e assistiam ao show de Gal, iam ao camarim. Retrata muito bem uma fase muito importante na vida dela – relembra Thereza. 


Fotos: Thereza Eugênia


Sobre Caetano Veloso tem boas histórias e uma delas é de três apresentações no teatro João Caetano que ele fez quando ele chegou de Londres, em 1972. Só se falava disso, era o grande evento do Rio de Janeiro, mas houve um derrame de xerox de convites na praia e quando alguém entrou com o ingresso falso, Guilherme gritou: ‘Deixe entrar, o cara é amigo de Caetano’. Fui com Marina Lima e era a primeira vez que estava vendo o artista no palco, no seu primeiro show no Rio após o exílio. Ela diz: “Impressionada com seus movimentos ao cantar ‘O Que é Que a Baiana tem?’, fiz uma dupla exposição no mesmo negativo. Acho que foi o artista que mais fotografei.” 

Revela que uma de suas grandes fotos foi de Wanderléa no espelho, “pois estava influenciada pela pintura pontilhista e tentei com um filme granulado um efeito parecido. Esta foi minha melhor foto neste estilo. Fui inspirada por uma capa de Miro (fotógrafo) da Rita Lee (o disco homônimo da cantora,de 1980), era uma experiência. Wanderléa é uma pessoa adorável, carinhosa.” 

Thereza adora uma foto que fez de Maria Bethânia nadando na piscina de uma cobertura que morou.





Rosinha de Valença, Maria Bethânia e Leina Krespi

Mas acredita que sua melhor foto da cantora foi no palco durante o espetáculo Drama-Luz da Noite (início da década de 1970), a que assistiu várias vezes. 

– Comecei a fazer fotos dela na sua casa. Até a década de 80, fotografei palco e plateia dos seus shows. E ela nunca criou nenhuma restrição ao meu trabalho – finaliza.