viernes, 17 de abril de 2020

2020 - THEREZA EUGÊNIA




2020
Revista CLAUDIA
Edição 703 - Abril 2020




Acervo de fotógrafa com bastidores da MPB nos anos 1970 e 1980 vira livro
Maria Bethânia, Rita Lee e Caetano Veloso foram alguns dos artistas fotografados de forma icônica por Thereza Eugenia

Edição: Isabella D'ercole | Colaborou: Maria Clara Serpa

15 abr 2020


Maria Bethânia na piscina de sua casa, em 1970, por Thereza Eugenia (Thereza Eugenia/CLAUDIA)

Ainda criança, Thereza Eugenia descobriu o gosto pela fotografia no laboratório escuro que a avó mantinha em casa, em Serrinhas, na Bahia. Herdou a paixão, mas formou-se enfermeira e levava as fotos como hobby. Só foi entender que o talento poderia se tornar profissão nos anos 1970, quando retratou sua irmã e se impressionou com o resultado. Já vivendo no Rio de Janeiro, começou a fotografar artistas da MPB – que ela adora – em shows. “Minhas câmeras não eram profissionais, mas Bethânia e Maysa amaram o trabalho. Só que os agentes achavam que os cliques não eram comerciais. Tudo mudou quando fotografei Roberto Carlos”, conta ela.

 
A fotógrafa baiana Thereza Eugênia (Arquivo Pessoal/CLAUDIA)


Uma de suas fotos, feita com uma câmera emprestada, foi escolhida pelo próprio cantor para estampar a capa do disco que levava o nome dele, lançado em 1970. A partir daí, as portas se abriram definitivamente para Thereza. Ela se tornou figura tão importante da música popular brasileira quanto os cantores. Seus retratos tinham clima intimista, eram tirados na casa dos artistas, e, assim, ela acabou fazendo amizade com eles. “Os tempos eram outros. Conseguia acompanhá-los em momentos de lazer e até os levava para minha casa. Essa confiança aconteceu também porque nunca fiz registros comprometedores ou polêmicos”, explica a fotógrafa, hoje com 80 anos.



 
Caetano Veloso na casa da fotógrafa, em 1979 (Thereza Eugenia/CLAUDIA)

Gal Costa no show Gal Tropical, em 1979 (Thereza Eugenia/CLAUDIA)

Ao longo das décadas de 1970 e 1980, Thereza reuniu enorme acervo. Alguns retratos estão em seu Instagram (@therezaeugenia), mas, em breve, muitos dos registros desse período histórico da MPB serão reunidos em um livro organizado pelo arquiteto Augusto Lins Soares. “Conheci Thereza quando estava produzindo a fotobiografa de Chico Buarque. Percebi que ela tinha muito material e com potencial enorme; então a convidei para montar esse projeto”, conta ele. Ainda sem editora, a previsão é de que a obra seja publicada no segundo semestre deste ano.



Agosto de 2021 - 1ª edição



















































“Em 1984 fiz uma exposição numa galeria do Antigo Cassino Atlântico.

Como sou enfermeira e fazia plantões poucos colegas conheciam minhas fotos. O comparecimento de Bethânia, Gal entre outros foi o grande acontecimento da noite.

O jornal Rjtv da Globo fez uma matéria sobre meu trabalho. No outro dia quando cheguei ao Hospital era um burburinho quase eu viro celebridade! Nas enfermarias as pacientes falavam eu vi a senhora na Televisão, tive meus 15 minutos de fama.”

[Thereza Eugênia]





No hay comentarios:

Publicar un comentario