sábado, 13 de diciembre de 2014

1995 - PROJETO AXÉ



 
 

















FOLHA DE S.PAULO
São Paulo, quarta-feira, 6 de setembro de 1995

Caetano confirma apresentação extra

DA REPORTAGEM LOCAL

Uma apresentação extra do show "Fina Estampa, de Caetano Veloso, com renda revertida para o Projeto Axé foi confirmada para a próxima segunda-feira, dia 11, às 21h, na Tom Brasil, em São Paulo.

Caetano enviou uma carta ao presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, convidando-o para o show beneficente.

Caetano Veloso e toda a equipe -músicos, técnicos, roadies- vão abrir mão do cachê em benefício do projeto, que atende 3.087 crianças carentes em Salvador.

Toda a bilheteria arrecadada -se todos ingressos forem vendidos, a renda chega a R$ 55 mil, segundo Paulo Amorim, 41, um dos proprietários da Tom Brasil- será doada à instituição.

O Axé vem enfrentando dificuldades desde maio deste ano, quando um "pool" de empresas baianas, que cobria a folha de pagamentos e os encargos sociais, deixou de contribuir com o projeto.

Segundo o presidente do Axé, o italiano Cesare Florio de La Rocca, 57, "Caetano vem dando muito apoio ao projeto.

Um estande do Projeto Axé montado na Tom Brasil vende camisetas e recolhe contribuições (veja texto nesta página).

Os ingressos para o show extra já estão à venda, com preços de R$ 35,00 a R$ 80,00. A Tom Brasil fica na r. Olimpíadas, 66, tel.: 011/820-2326.











1997








 


Caetano curtiu o desfile da platéia com seu filho Tom, 3 anos. Foto: Valter Pontes




2/4/2014
Caetano Veloso participa de evento do "Projeto Axé"


"A Bahia tá viva ainda lá. Fui fazer uma palestra musicada em Salvador, para o pessoal do Projeto Axé. Essa organização se dedica à educação dos meninos e meninas de rua de Salvador. “De rua”, aliás, é uma caracterização que os dirigentes do Axé não aprovam. Eles vêm realizando um trabalho importante na Bahia há quase 25 anos. Discípulo de Anísio Teixeira e de Paulo Freire, Cesare Rocco tem encontrado, com sua admirável turma de colaboradores, meios de estimular uma garotada arrancada da desesperança a desejar crescer intelectual, afetiva e moralmente. A “aula” que eu me comprometi a dar era sobre Caymmi. Melhor assunto não há. Levei meu violão e cantei algumas das muitas canções que sei desse autor (antigamente eu tinha a ilusão de que sabia todas: ele não tem um repertório muito extenso, tendo sempre preferido concentrar-se na qualidade, ou melhor, na necessidade do aparecimento de certas canções). Foi uma ida relâmpago a minha terra. Antes eu tinha estado em Belém, uma das cidades mais bonitas e condutoras da imagem que o Brasil faz de si mesmo. Ao menos através de mim. ..." (Caetano Veloso, O GLOBO, "Cidades e canções", 6/4/2014)










No hay comentarios:

Publicar un comentario