lunes, 20 de septiembre de 2021

1975 - MAYSA - CORAÇÃO VAGABUNDO

 

"Uma de minhas primeiras paixões foi a Maysa. E eu me lembro que ficava apaixonado por Maysa e eu pensava, seria fantástico... Eu tinha vontade de chegar perto dela e eu pensava, será que algum dia eu vou poder ver Maysa?".

[1983, Caetano Veloso]


Maysa Figueira Monjardim, mais conhecida como Maysa Matarazzo ou simplesmente Maysa [São Paulo, 6 de junho de 1936 — Niterói, 22 de janeiro de 1977], foi uma cantora, compositora e atriz brasileira. 


1970 - Foto: Thereza Eugênia















26/10/1975 - Programa Fantástico










● RESPOSTA (Maysa Matarazzo) Samba Canção 1956 GAL COSTA

CORAÇÃO VAGABUNDO (Caetano Veloso) MAYSA

ATÉ QUEM SABE (João Donato/Lysias Enio) 1974 GAL COSTA E MAYSA

 




















LOGULLO, Eduardo. Meu Mundo Caiu - A Bossa e a Fossa de Maysa. Editora Novo Século, 2007, 1ª edição. 1ª reimpressão, 248 páginas.





sábado, 18 de septiembre de 2021

2021 - O ESTRANGEIRO / O ESTRANGEIRO

 

«Si tu n'arrives à communiquer avec un autre monde, change de comportement», 








2021 - THOMAS DE POURQUERY – SUPERSONIC
Voz: BERLEA BILEM
Álbum “Back to the Moon”
Lying Lion Productions CD 07071977, Track 12 [Francia]
 




jueves, 16 de septiembre de 2021

2021 - Dona CANÔ - 114 anos



2005 - Foto: Maria Sampaio

"Hoje é dia de aniversário de nascimento de minha mãe! Sempre um sentimento de festa. Calhou de ficar pra hoje o lançamento do single do meu primeiro álbum de inéditas em 9 anos. Se ela ouvisse Anjos Tronchos certamente diria com um sorriso alegre e balançando a cabeça em ‘não’: “…as maluquices de seu Caetano…”. Saudade sem dor."

[Caetano Veloso, 16 de setembro de 2021 / Instagram]





miércoles, 15 de septiembre de 2021

1988 - OBJETO NÃO IDENTIFICADO: A TRAJETÓRIA DE CAETANO VELOSO - Tese de Mestrado

 

Santuza Cambraia Naves (1953/2012)

Realizou pesquisas na área de Antropologia da Música e da Antropologia da Arte desde os anos 1980. Defendeu dissertação de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) do Museu Nacional, UFRJ, em 1988, intitulada Objeto não identificado: a trajetória de Caetano Veloso, e tese de doutorado em Sociologia no Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, em 1997, intitulada O violão azul: modernismo e música popular. Essa tese foi publicada pela Editora da Fundação Getúlio Vargas, em 1998, com o mesmo título.




















domingo, 12 de septiembre de 2021

1988 - MARIA, MARIA BETHÂNIA - Especial TV Manchete

 






CAETANO VELOSO recita A Carta do Chefe Seattle (1855) ao Presidente dos Estados Unidos, Franklin Pierce (1804/1869) 












Foto: Mirella Ricciardi































Correio de Notícias



























































































REDE MANCHETE

APRESENTA


ROTEIRO

MARIA BETHÂNIA

JOSÉ AMANCIO 

 

EDIÇÃO / PRODUÇÃO

ALOISIO FILHO 

 

FOTOGRAFIA

PETER GASPER 

 

CO-DIREÇÃO

ANA BASBAUM 

 

DIREÇÃO

JOSÉ AMANCIO 

 

Convidados Especiais

LIMA DUARTE

CHICO BUARQUE

CAETANO VELOSO

NARA LEÃO

NÉLIDA PIÑON

THEREZA ARAGÃO

GILDA MATOSO

TADEU FRANCO

ELIFAS ANDREATO 

 

Agradecimentos

JOINT ABC

TV GLOBO

CACÁ DIEGUES

JÚLIO BRESSANE

CINEMATECA DO MAM

POLYGRAM

SOM DA GENTE

ALDIR RIBEIRO

BARBARA CHEVALIER

ALMIR SATER 

 

Músicas

TERNURA ANTIGA (Ribamar/Dolores Duran)

EU SEI QUE VOU TE AMAR (Tom Jobim/Vinícius)

POR CAUSA DE VOCÊ (Dolores Duran)

SE TODOS FOSSEM IGUAIS A VOCÊ (Tom Jobim/Vinícius)

EU PRECISO DE VOCÊ (Roberto Carlos e Erasmo Carlos)

CANTIGUINHA PARA MARIA (Tadeu Franco/Juarez Moreira) Tadeu Franco e Maria Bethânia

O CIÚME (Caetano Veloso)

CANTORES DO RÁDIO (João de Barro/Alberto Ribeiro/Lamartine Babo) Chico Buarque, Nara Leão e Maria Bethânia

OFÁ (Roberto Mendes/J. Veloso)

PRIMAVERA (Vinícius/Carlos Lyra)

RONDA (Paulo Vanzolini)

BLUE MOON (Richard Rodgers/Lorenz Hart - Versão: Rita Lee) )

MULHERES DO BRASIL (Joyce)

  O QUERERES (Caetano Veloso)

EU E ÁGUA (Caetano Veloso)

MAMÃE OXUM (André Luiz de Oliveira/José Carlos Costa Neto)

O QUE É O QUE É (Luiz Gonzaga Jr.) 

 

Músicos

ZÉ MARIA

TOMÁS IMPROTA

JUAREZ MOREIRA 

 

Coordenação de Produção

MÁRCIA ÍTALO 

 

Assistente de Produção

FÁBIO FESSEL 

 

Produtora Musical

GEORGIANA DE MORAES 

 

Diretor de TV

PAULO BERRINI

JORGE BERNARDO

JORGE DELGADO 

 

Figurino

CHRISTA CARROUGE

CELINA BALONA 

 

Fotos

MARISA ALVAREZ DE LIMA

SHOW AO VIVO GRAVADO NO OLIMPIA PELA EQUIPE TV MANCHETE SÃO PAULO 

 

Assistentes de Estúdio

DJACI BRITO

WALTER FRANCIA 

 

Contra Regra Musical

REYNALDO ALVES 

 

Contra Regra

THEMY SARAIVA 

 

Operação de Video

MANOEL AGUIAR

WALTUR ELIAS

JORGE BANDEIRA 

 

Direção Artística

JAYME MONJARDIM 

 

Realização

TV MANCHETE






















● ● ● ● 


Cobertura que a Rede Manchete fez em novembro de 1988, para o show “MARIA” de Maria Bethânia em Nova York.



 
O Especial também teve cenas gravadas em estúdio em Rio de Janeiro.
 
Destaca-se a participação de Lima Duarte, Chico Buarque, Nara Leão, Caetano Veloso e Nélida Piñon. 




● MARIA BETHÂNIA recita trechos de “Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio” de Ricardo Reis (11/7/1914) 

Vem sentar-te comigo, à beira do rio.
Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos
Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas.
(Enlacemos as mãos)
 
Depois pensemos, crianças adultas, que a vida
Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa,
 
Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos.
Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio.
Mais vale saber passar silenciosamente
E sem desassosegos grandes.
 
Colhamos flores, pega tu nelas e deixa-as
No colo, e que o seu perfume suavize o momento -
Este momento em que sossegadamente não cremos em nada,
Pagãos inocentes da decadência.
 
Eu nada terei que sofrer ao lembrar-me de ti.
Ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim - à beira-rio,
Pagã triste e com flores no regaço.

 

1. EU PRECISO DE VOCÊ (Roberto Carlos/Erasmo Carlos) 1981
2. OFÁ (Roberto Mendes/J. Velloso) 1988




3. O QUERERES (Caetano Veloso) 1984

● MARIA BETHÂNIA fala do Especial, sobre música, sobre literatura, sobre cinema, teatro. … Falar de uma coisa que eu sei que é séria e bonita. Isso me comove. Eu fico feliz …
 
4. RONDA (Paulo Vanzolini) 1953
5. BLUE MOON (Richard Rodgers/Lorenz Hart - Versão: Rita Lee) 1987
 
 
● MARIA BETHÂNIA "Água viva" (trecho) Clarice Lispector (1973)
 
[…]

"E depois de uma tarde de “quem sou eu” e de acordar à uma hora da
madrugada ainda em desespero – eis que às três da madrugada eu acordei e me encontrei. Fui ao encontro de mim. Calma, alegre, plenitude sem fulminaçã
o. Simplesmente eu sou eu. e você é você. É lindo, é vasto, vai durar."
 
 

6. TERNURA ANTIGA (J. Ribamar/Dolores Duran) 1961
7. POR CAUSA DE VOCÊ (Dolores Duran/Tom Jobim) 1958
8. EU SEI QUE VOU TE AMAR (Tom Jobim/Vinícius de Moraes) 1959
9. SE TODOS FOSSEM IGUAIS A VOCÊ (Tom Jobim/Vinícius de Moraes) 1956

● MARIA BETHÂNIA fala dos 5 cinemas que tinha Santo Amaro (“La Strada”, “Bethânia bem de perto” e “Quando o Carnaval chegar”


10. CANTORES DO RÁDIO (João de Barro/Alberto Ribeiro/Lamartine Babo) 1933. Chico Buarque / Nara Leão / Maria Bethânia 

● MARIA BETHÂNIA fala do show no Town Hall em Nova York
 
11. PRIMAVERA (Vinícius de Moraes/Carlos Lyra) 1963
12. GRITO DE ALERTA (Gonzaguinha) 1979
 

● MARIA BETHÂNIA fala de Augusto Boal e Lima Duarte.

● LIMA DUARTE interpreta João Guimarães Rosa, A Mulher na obra de Guimarães Rosa
 
13. MULHERES DO BRASIL (Joyce) 1988
14. NA PRIMEIRA MANHÃ (Alceu Valença) 1980




 MARIA BETHÂNIA fala de Fauzi Arap


● CAETANO VELOSO recita A Carta do Chefe Seattle

"O grande chefe de Washington mandou dizer que quer comprar a nossa terra. O grande chefe assegurou-nos também da sua amizade e benevolência. Isto é gentil de sua parte, pois sabemos que ele não necessita da nossa amizade. Nós vamos pensar na sua oferta, pois sabemos que se não o fizermos, o homem branco virá com armas e tomará a nossa terra. 

[...]


15. ORAÇÃO AO TEMPO (Caetano Veloso) 1979
16. MAMÃE OXUM (André Luiz Oliveira/José Carlos Costa Neto) 1988
17. EU E ÁGUA (Caetano Veloso) 1988




18. CANTIGUINHA PARA MARIA (Juarez Moreira/Tadeu Franco) 1988




● NÉLIDA PIÑON lê o trecho final do conto “Disse um campônio à su amada” do livro O Calor das Coisas (1980).

[...]

“Amanhã é sexta-feira, talvez regresses para tomar meu coração. Como das outras vezes. Só que a cada volta tua, e sempre que te oferto o coração, sinto que te tenho como se te perdesse. Tenho-te apenas o tempo de acostumar-me a perder-te para sempre. Assim, te faço discreto pedido, não me arraste contigo quando te fores. Ou não me aceites, ainda que te peça para seguir o teu caminho. Não quero despojar-me de um coração que te ofereci com tanta opulência. Mas, se o quiseres realmente levar contigo, deixes ao menos algumas de suas fibras em minha casa. Com elas apenas hei de encontrar um outro retrato vivo que, sem me desprover, há de me fazer derramar lágrimas de alegria, enquanto eu lhe esteja propondo os últimos pedaços de coração que meu corpo sedento de amor ainda produzirá.

Do teu camponês que se despede sem saber que é para sempre.”


19. O CIÚME (Caetano Veloso) 1988
20. O QUE É, O QUE É (Gonzaguinha) 1982