sábado, 3 de diciembre de 2016

2016 - ENTÃO, MARIA BETHÂNIA


23/11/2016

Maria Bethânia vai ser tema de um livro a ser lançado em dezembro. A obra será publicada pela Barléu Edições e trará 400 páginas da cantora baiana, informou o jornal carioca "Extra".
 
O livro foi escrito pela produtora e diretora teatral Bia Lessa, que dirigiu Bethânia em shows. O lançamento faz parte das  homenagens aos 70 anos da cantora baiana, completados no último dia 18 de junho.
 
Segundo a publicação, o livro terá imagens feitas por Evandro Teixeira, Marisa Alvarez Lima, Cristina Granato e Thereza Eugênia, além de fotos de acervo da irmã de Caetano Veloso.
 
No mês que vem, também será lançado o DVD "Abraçar e Agradecer", gravado em São Paulo em agosto de 2015, para marcar os 50 anos de carreira da diva baiana.

Fonte: diariodonordeste


Capa do livro “Então, Maria Bethânia”
Créditos: Reprodução

 

Aos 70, Maria Bethânia vira livro com imagens históricas de sua trajetória




Maria Bethânia ganha livro organizado por Bia Lessa || Créditos: Gringo Cardia
 

Maria Bethânia vai virar livro. Em homenagem aos 70 anos da cantora e dos seus 50 anos de carreira, Bia Lessa preparou um livro fotográfico com cerca de 400 imagens de sua trajetória, além de fotos do Recôncavo e de Santo Amaro da Purificação – onde ela nasceu.

“O livro a princípio seria só de fotografias da Bethânia, mas fiquei completamente apaixonada por Santa Amaro e pelo Recôncavo. Esses lugares são de uma riqueza cultural absurda, é o Brasil no seu auge, uma mistura entre o profano e sagrado, entre a sofisticação e despojamento, é uma sabedoria de gêneros, todos ali se namoram. Você realmente entende o Brasil. Você sente a força dos índios, dos negros, dos portugueses, das forças populares e das eruditas”, disse Bia ao Glamurama.

Uma das fotos mais emblemáticas da obra é a de um palco construído em cima de uma caixa d´água na casa de Dona Canô, cenário de festas cheias de alegria no melhor estilo baiano. “Nas festas, todo mundo fica ali, rindo, falando. É uma farra. E na casa de Dona Canô todo mundo entra, as portas ficam sempre abertas”.

Além de fotografias, o livro conta uma seleção de textos de Maria Lucia Montes, Lillian Schwartz e Jorge Mautner. O texto de abertura é um trecho do livro “O Povo Brasileiro”, de Darcy Ribeiro. O livro “Então, Maria Bethânia” chega às livrarias em meados de dezembro. (Por Denise Meira do Amaral)







1967 - Foto: Thereza Eugênia


1972 - Foto: Thereza Eugênia



1972 - ASA BRANCA

Denise Glaser (1920/1983)

Emission phare consacrée à l'actualité du disque, "Discorama" a séduit, pendant plus de quinze ans - de 1959 à 1975 -, une génération entière de téléspectateurs. Son succès, cette émission le doit à son animatrice et productrice, Denise Glaser, première diva de la télévision française.





Realisé par Roland Hollinger
10/9/1972





 
ASA BRANCA (3/3/1947) 
Música: Luiz Gonzaga (1912/1989)
Letra: Humberto Teixeira (1915/1979) 

Quando olhei a terra ardendo
Qual fogueira de São João
Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação

Que braseiro, que fornalha
Nem um pé de plantação
Por falta d'água perdi meu gado
Morreu de sede meu alazão

Até mesmo o asa branca
Bateu asas do sertão
Então eu disse adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração

Então eu disse adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração
Quando o verde dos teus olhos
Se espalhar na plantação

Eu te asseguro, não chores não, viu
Que eu voltarei, viu, pro meu sertão
Até mesmo o asa branca
Bateu asas do sertão














Pour ceux qui ont assisté à la présentation de mon livre à la bibliothèque de la Part-Dieu (et que je remercie), voici l’unique extrait vidéo que j’y ai montré, il s’agit du passage de Caetano Veloso à la télé française en 1972, peu avant son retour au Brésil, à l’émission Discorama de Denise Glaser.


Document précieux, l’un des très rares de la période d’exil de l’artiste, dont il ne subsiste d’ailleurs que peu de vidéos sur la toile concernant sa période tropicaliste (qu’on peut faire durer jusqu’à Araça Azul en 1973). à noter que Denise Glaser écorche le prénom de Caetano en l’appelant “Gaetano”, ce qui est le nom d’une fameuse pizzeria… rien à voir !



La chanson, Asa Branca, est le plus grand classique du forro, signé du plus mythique chanteur du nordeste, Luiz Gonzaga. Elle a été reprise par Veloso sur son album sans titre de 1971, parfois appelé “London London” et enregistré à Londres en pleine période d’exil politique.










2008
DISCORAMA 
INA Editions  (Institut National de l'Audiovisuel)
DVD Box Set 
[3 DVD’s 8h20 / Livret avec photos rares de stars de la chanson (32 pages)]
[Francia]




DVD 3
4. ASA BRANCA (10 septembre 1972) réalisation de Roland HOLLINGER 
Avec la participation de Caetano VELOSO






DVD 1: La Famille Discorama (180')

Barbara (1959/1970) - Jacques Brel (1962/1966) - Léo Ferré (1965/1974) - Georges Moustaki (1969) - Serge Gainsbourg (1963/1971) - Michel Polnareff (1966/1970) - Maxime Le Forestier (1971/1972) - Catherine Lara (1972) - Véronique Sanson (1972).

DVD 2: Tutti Frutti (160')

Les stars de la chanson française: Edith Piaf (1961) - Gilbert Bécaud (1963) - Charles Aznavour (1964) - Claude Nougaro (1966) - Serge Reggiani (1968).

Le cinéma: Edouard Molinaro (1959) - Martial Solal (1960) - Michel Simon (1960) - Mélina Mercouri et Jules Dassin (1964) - Claude Lelouch (1966).

L'humour: Pierre Repp (1961) - Francis Blanche (1965) - Sophie Daumier et Guy Bedos (1965/1970).

Les génies: Iannis Xenakis (1968) - Manitas de Plata (1970) - Salvador Dalí (1971) - Vangelis Papathanassiou (1972).

Les chanteurs du monde entier: Vince Taylor (1962) - The Kinks (1965) - Graeme Allright (1966) - Félix Leclerc (1968) - Robert Charlebois (1972).

Twist & Rock: Johnny Hallyday (1963) - Richard Anthony (1966) - Sylvie Vartan (1966) - Eddy Mitchell (1967) - Jacques Dutronc (1968).

DVD 3: Signé Glaser (170')

Les chanteurs engagés: Paco Ibañez (1969) - Miriam Makeba (1971) - Joan Baez (1973) - Caetano Veloso (1972).

Spéciale Nino Ferrer (1972)

Spéciale Dick Annegarn (1974)

Documentaire "Discorama, signé Glaser": Un portrait de Denise Glaser, réalisé par Esther Hoffenberg (2008 - 67').