miércoles, 30 de octubre de 2019

1977 - GAL COSTA


1977
Revista Manchete
Rio de Janeiro – 14 de maio de 1977
Ano 25 - n° 1.308

Págs. 102-103




 
 
 


 




lunes, 28 de octubre de 2019

2019 - OFERTÓRIO - Salvador






entretenimento

Da redação
redacao@correio24horas.com.br
23/10/2019

Caetano Veloso e filhos iniciam reta final da turnê em família

Com ingressos esgotados, Ofertório terá quatro sessões no TCA a partir desta quarta-feira (23)






Ao lado dos filhos Tom, Zeca e Moreno, Caetano Veloso volta a Salvador com o show Ofertório. Depois de passar por outros países da América do Sul, a turnê afetiva em família entra na reta final com os ingressos esgotados para as quatro apresentações que acontecem no Teatro Castro Alves (TCA), de quarta (23/10/) a sábado (26/10/).

Elogiado pelo público e pela crítica, o show chama a atenção por mostrar, no palco, a cumplicidade e musicalidade da família Veloso. "Gosto muito de me apresentar em shows. Já toquei com bandas variadas. Sempre com prazer. Neste show de agora, o prazer vira felicidade: é um sonho ver e ouvir meus filhos cantando e tocando perto de mim. E em cada apresentação eu me sinto reafirmado em meus princípios, no modo de ser e agir que aprendi com meu pai e com minha mãe", disse Caetano, em postagem no Instagram.

Para quem assiste ao show, a sensação é mesmo de estar na sala de estar da família. Caetano, no entanto, diz que não é por aí, afinal esse momento de reunião dos quatro é mais raro do que se possa imaginar. De qualquer forma, o artista defende que gosta de cantar com os filhos pelo que a reunião "representa de celebração e alegria, sem dar importância ao sentido social da herança".

Show que começou "com um clima de projeto pequeno e que podia não durar muito", lembra Zeca, Ofertório já ganhou versões para álbum e DVD. O repertório tem como cartão de visitas a música Todo Homem, composta por Zeca, e inclui, além dela, clássicos como O Leãozinho e Reconvexo. "É um show familiar, nascido da minha vontade de ser feliz. Ter filhos foi a coisa mais importante da minha vida adulta", resume Caetano.

Ofertório – Caetano, Moreno, Zeca e Tom Veloso
Quando: 23, 24, 25 e 26 de outubro, 21h. (É terminantemente proibida entrada após início do espetáculo).
Onde: Sala Principal do Teatro Castro Alves



23/10/2019 - Caetano e Irene - Teatro Castro Alves

23/10/2019 - Caetano e J. Velloso - Teatro Castro Alves




CAETANO E FILHOS CANTAM OFERTÓRIO NO TCA E EMOCIONAM OS BAIANOS

Teatro lotado e uma apresentação primorosa

Tasso Franco
da redação em Salvador
23/10/2019


23/10/2019 - Caetano e filhos no TCA - Foto: BJÁ


Caetano Veloso e seus três filhos Moreno Veloso, Zeca Veloso e Tom Veloso se apresentam na noite desta quarta-feira, 23, no Teatro Castro Alves com o show “Ofertório”. Do inicio ao fim, emocionou o público que foi junto cantando algumas de suas canções, desde a inicial Baby até a derradeira Tieta, com a plateia entoando o refrão "Tieta, eta, eta, etá". Maravilha de show para todas as cidades, de jovens a velhinhos de bengalas.

O repertório do show contou com 28 canções, entre elas sucessos como “O Leãozinho”, “Força Estranha”, e "Tieta". E mais, as composições de autoria dos seus filhos especialmente Tom cantando em falsete.

O show se deu de forma dinâmica. Eles conversam, trocam instrumentos, dançam, brincam e transformam o Ofertório em uma reunião familia. Os meninos dançando samba no palco enloqueceram o público.

É difícil falar de cada música que brindou a noite entre a família e o público baiano, mas é impossível não destacar a concentração da plateia durante a canção do estreante Zeca Veloso. "Todo Homem", single lançado no fim de 2017, é obra de arte. Aos 25 anos, o filho do meio mostra que a genética da música está presente nos quatro cantos do palco.


23/11/2019 - S. Paulo



domingo, 27 de octubre de 2019

2019 - Textos de J. VELLOSO


16/9/2019
Texto de J. Velloso [Facebook]


Claudionor Vianna Telles Velloso [D. Canô] (16/9/1907 - 25/12/2012)



Hoje era dia de festa e até hoje a gente continua festejando. Festejar a vinda de D. Canô é festejar a vida com alegria. Nesses festejos eu aprendi a expandir amorosamente minha família. Quando me lembro dos aniversários dela, vem logo a lembrança de nos juntarmos todos para a foto. Todos com sorrisos largos e olhos brilhando. Vários parentes foram se chegando ou cada um de nós foi trazendo outro.

Vou citar poucos aqui, mas é bom saber que são muito mais do que esses. Nessa foto que tirei hoje com a máquina da minha saudade eu vi nitidamente Beto, Ivonete, Dr. Lúcio, Nando, Guerreiro, Kikiki, Edneusa, Dirlene, Carlos, Alcina e, quem me faz lembrar de fotografias, Maria Sampaio.

Minha avó me ensinou muitas coisas, não sei o que deu pra aprender, mas aprendi que família não tem nada a haver com a rigidez biológica do DNA. Família é o amor da amizade reencarnando, que segue hereditário nos genes dos sentimentos e que vai se espalhando. No dia de hoje almoçávamos sempre todos juntos nos preparando para a festa que ali já começava. Mas com o desnortear da vida eu acabei sabendo agora que hoje é dia 16 de setembro, o dia dela, e eu estava num restaurante a quilo e sozinho.

O impressionante é que a tristeza não me veio, apesar de tantas saudades e do momento presente, mas o que eu senti foi uma gratidão profunda com a vida, pois o bem que meus amores me deram nunca vai deixar de estar em mim, por isso “só agradeci”. Um beijo minha avó e obrigado por sua bênção eterna.




9/10/2019
Texto de Jota Velloso [Facebook]

Eunice Souza Oliveira [Nicinha] (9/10/1928 - 26/10/2011)




Essa coisa de família grande e amorosa promove situações mais que interessantes. Minha madrinha de batismo é Iara, muito amada e que nos deixou a pouco tempo. Minha outra madrinha é Alcina, que na verdade é madrinha de minha irmã, mas isso é outra história. Mas minha Dinda Nicinha, que fazia anos hoje, é uma referência incomparável pra mim.

Eu sempre observava ela com muita admiração e adorava pedir a bênção a ela de forma particular. Ela era duma presença iluminada e marcante. Ela era toda nossa e nós todos éramos todos dela. Era como se fosse a nossa Lua, orbitando sobre todos e sabendo das nossas marés.

Faz parte das minhas lembranças a sua alegria exuberante, o costume fazer cócegas até a gente perder o fôlego, e a maneira de demonstrar fé em Nossa Senhora da Purificação e em Senhor do Bonfim de forma quase que carnal, pois ela conversava com eles com muita intimidade que chegava até a brigar.

Ela me deu vários presentes inesquecíveis, mas o pricipal foi um violão quando fiz 15 anos. Nessa época eu só gostava de jogar bola. Música eu só gostava de ouvir lendo os encartes, mas nunca pensei em fazer nada relacionado. Como eu era amigo de Cezar Mendes, depois que Nicinha me deu violão, ele começou a me dar aulas e eu comecei a gostar daquilo. Percebia que Nicinha observava tudo isso de forma muito natural.

Acredito que era pela forma dela gostar tanto de música que a fazia pensar que todo mundo gostasse da mesma forma.

Não é fácil situar Nicinha, pois ela é um amor e uma saudade diferente de tudo. Ela tem um amor singular de todos nós, pois ela foi muito singular com todos da casa. Nicinha é uma família completa.

Acredito que ela tenha me dado a lanterna pra me salvar da escuridão quando eu era adolescente e hoje, quando vemos tanta grosseria e asneira no mundo, eu agradeço ainda mais por tudo que ela fez e continua a fazer por todos nós que tivemos a sorte de amá-la e de também sermos amados por ela.

Agora vou parar pra lembrar dela; sem chorar, pois ela nunca gostou de tristeza. Vou tentar ouvir sua gargalhada, sua voz falada e cantada. Salve Babá. Onde quer que você possa estar, sei que está dentro de cada um de nós. Obrigado por tudo, minha madrinha.



14/10/2019
Texto de J. Velloso [Facebook]

José Telles Velloso [Zeca/Seu Zeca/Seu Zezinho] (14/10/1901 - 13/12/1983)

 

Acho que isso, de se observar, é coisa que vem com o tempo. Começamos a nos olhar à distância e analisar essa loucura que somos nós. Percebemos que somos muitos e em constante mutação.

O meu nome, que eu adoro, é Joviniano José. É uma combinação que meus pais fizeram juntando o nome dos pais deles. Eu me sinto muito feliz com isso apesar de alguns acharem estranho. Mas hoje é pra falar do José, meu avô Zezinho que foi o único avô que conheci. Sei que dei um azar danado em não ter conhecido o meu avô Joviniano; mas a sorte de ter conhecido, convivido e amado o meu avô José é muito determinante pra mim.

Falar de meu avô Zezinho é muito delicado, pois sua presença na minha vida é muito ampla e a sua forma de existir moldou a minha. Em todos momentos de dúvidas, principalmente morais, eu me pergunto “o que meu avô acharia disso?”. Acredito que muitos que conheceram ele possam ter também essa conversa consigo.

Depois que perdemos muitos queridos, falar deles virou uma terapia e uma forma de ainda ter eles vivos. Conversando com Mirella pra explicar como meu Avô Zezinho era, eu me vi sem encontrar um caminho pra começar a falar. Tudo que eu pensei salientar dele, como admirador apaixonado, foi se confundindo com outras lembranças e que não poderiam ficar de fora. Essa profusão de lembranças dele foram transbordando e eu, pra me proteger, chorando, me resignei, simplifiquei e acabei, sem premeditar, sendo mais profundo e preciso ao dizer: ‘ele era completamente maravilhoso’.

Sabe o que é uma pessoa que não me deixou uma queixa, um talvez ou um quem sabe? Suas histórias fazem parte dos meus dias, pois não preciso pensar para estar com ele. Assim é ele pra mim, não precisa eu parar pra lembrar dele para que ele já esteja, basta eu acordar que ele já está. Sei que hoje, que era seu aniversário, ele estaria feliz com a campanha do Bahia, mesmo ele sendo torcedor do Ypiranga; mas também estaria proporcionalmente estarrecido e triste com o que vem acontecendo no Brasil, pois ele era, acima de tudo, humanista, mas, pra simplificar tudo, basta dizer "ele era completamente maravilhoso."



16/9/2010 - 103 anos D. Canô






2018 - OFERTÓRIO - J. VELLOSO


A entrega da premiação do XVI Festival de Música Educadora FM acontece neste sábado (24/11), em Salvador. Ao lado dos filhos Moreno, Zeca e Tom, Caetano Veloso sobe ao palco com o show ‘Ofertório’, a partir das 18h, na Concha Acústica do Teatro Castro Alves. O evento terá ainda o show de abertura dos cantores e compositores baianos J. Velloso e Luciano Salvador Bahia.

No show ‘Ofertório’, título vindo de uma canção feita especialmente para a missa de 90 anos de sua mãe, Dona Canô, Caetano toca violão e os três filhos se revezam em alguns instrumentos com um som acústico e singelo, a partir de um repertório composto de canções que são sucessos de público, como ‘O Leãozinho’, ‘Reconvexo’, a composição hit “Todo Homem”, de Zeca Veloso e outras composições autorais. Já no show de abertura com os baianos.








entretenimento

Da Redação
redacao@correio24horas.com.br
02/11/2018


Caetano Veloso e filhos voltam a Salvador com show Ofertório


Apresentação integra programação do XVI Festival de Música Educadora FM

O show Ofertório, de Caetano Veloso acompanhado dos filhos Moreno, Zeca e Tom volta a Salvador no próximo dia 24/11. Em janeiro deste ano (13/1), eles


13/1/2018 - Tom Veloso - Alexandrino - Foto: Uns

emocionaram o público com músicas interpretando canções assinadas por Caetano que marcam sua relação com diferentes momentos da vida das crias, mas também com canções de Moreno e até de Zeca, que assina a bela Todo Homem. Elogiado pelo público e pela crítica, o show chamou atenção pela cumplicidade e musicalidade que a família Veloso consegue colocar no palco.

O show foi intitulado Ofertório devido à música homônima que foi feita especialmente para a missa de 90 anos de Dona Canô, que faleceu em 2012. Caetano idealizou o projeto como uma homenagem à memória de sua mãe.

A apresentação integrará a programação da premiação do XVI Festival de Música Educadora FM, cujos ingressos começam a ser vendidos a partir deste sábado (3), através do site do Ingresso Rápido ou ainda na bilheteria do Teatro Castro Alves e nos SAC's do Shopping Barra e do Shopping Bela Vista.












24/11/2018 - Concha Acústica do Teatro Castro Alves


Texto de J. Velloso [Facebook, 23/10/2019]

“Uma prova de que a vida é boa”

É muito difícil para mim dizer que música ou show de Caetano eu mais gosto. Aliás, essa coisa de querer saber de quem ou do quê mais se gosta eu nunca liguei. Não por indiferença, mas porque não sei mensurar sentimentos.

Falando desse assunto, lembrei da música “Ofertório”, que Caetano fez a pedido de minha avó Canô para a missa comemorativa dos seus 100 anos. Nessa época eu morava com ela, Nicinha e Rodrigo (imaginem aí que maravilha era). Minha memória nunca foi muito boa, mas lembro muito bem de minha vó dizendo: “pedi para ele fazer uma para a hora do ofertório”.

Lembro também de eu ir com minha mãe no Aeroporto 2 de Julho pegar o CD (ou fita?) com a gravação da música para que o Coral Miguel Lima pudesse ensaiar para cantar. Saindo do aeroporto, colocamos no carro para ouvir. Realmente é mais uma canção de Caetano Veloso: Surpreendente, precisa, sensível, profunda e emocionante.

Eu e minha mãe choramos juntos com tanta emoção e alegria ao ouvir versos como: “Os que já chorei e os que ainda estão por vir, oferto a ti”.

Infelizmente assisti ao show “Ofertório” já com muitos queridos perdidos, e senti falta principalmente de minha mãe, pois ela, além de ter dedicado sua vida a todos da família, era louca pelos filhos de Caetano. Moreno e ela sempre tiveram entre si um amor especial, mas Zeca e Tom recebiam um tempero afetivo ainda mais singular, pois Paulinha gostava de brincar dizendo que eles eram filhos de minha mãe também. Mexe muito comigo saber que minha mãe viu o nascimento deles mas não os viu no palco arrasando como hoje fazem.

Foi com esse enredo todo que fui, apavorado, assistir ao show “Ofertório”. Mas, incrivelmente, saí mais leve do que entrei. Esse show consegue concretizar o amor e amizade que aprendi com meus ascendentes e que, por felicidade, vejo agora nos mais novos do que eu. A alegria e a saudade se misturam para me darem força pra continuar feliz procurando a felicidade, pois “Tudo que se foi de mim, ‘EU’ não perdi”.

Agradeço ao senhor que dá a vida, mesmo que depois a tire.



jueves, 24 de octubre de 2019

1964 - MORA NA FILOSOFIA


Show MARIA BETHÂNIA
1964 – dezembro

MORA NA FILOSOFIA

Teatro Vila Velha, Salvador
Direção: Caetano Veloso
Produção: Orlando Senna


Cenário de Calazans Neto, emprestado da montagem de "Eles não usam black-tie" onde simulava uma favela de um morro do Rio de Janeiro, Bethânia exibiu seu potencial de atriz e canções como "O Morro" de Carlos Lyra e Gianfrancesco Guarnieri e "Favela" de Heckel Tavares viraram quase textos teatrais.

Marca o primeiro show individual de Maria Bethânia.









MORA NA FILOSOFIA

Participação: Perinho Albuquerque

PRA SEU GOVERNO (Haroldo Lobo)
CANÇÃO ESPONTÂNEA (Caetano Veloso)
DE MANHÃ (Caetano Veloso)
FAVELA (Hekel Tavares)
MEU BARRACÃO (Noel Rosa)
A FELICIDADE (Tom Jobim/Vinícius de Moraes)
CHÃO DE ESTRELAS (Sílvio Caldas/Orestes Barbosa)
O MORRO [Feio não é bonito] (Carlos Lyra/João Francisco Guarnieri)
AVE MARIA NO MORRO [Barracão de zinco] (Herivelto Martins)
ACENDER AS VELAS (Zé Keti)
ENQUANTO A TRISTEZA NÃO VEM (Sérgio Ricardo)
AO VOLTAR DO SAMBA (Sinval Silva)
ONDE ESTÃO OS TAMBORINS (Pedro Caetano/Claudionor Cruz) 
FOI ELA (Ary Barroso)
LATA D’ÁGUA (Luiz Antônio)
MORA NA FILOSOFIA (Monsueto Menezes/Arnaldo Passos)


Fonte: Hineni Gomes Ferreira





21/2/1965 - O JORNAL








1974 - MARIA BETÂNIA / GAL COSTA


1974
Revista Manchete
Rio de Janeiro - 23 de novembro de 1974
n° 1.179 – Ano 21

Págs. 64, 65 e 66