viernes, 30 de agosto de 2019

1987 - AMOR DE ÍNDIO




28/8/1987 - Jornal do Brasil


1987 - Beto Guedes e Caetano Veloso, show no Morro da Urca



Música: Beto Guedes
Letra: Ronaldo Bastos

Tudo que move é sagrado
E remove as montanhas
Com todo cuidado
Meu amor
Enquanto a chama arder
Todo dia te ver pasar
Tudo viver a teu lado
Com o arco da promessa
No azul pintado
Pra durar

Abelha fazendo o mel
Vale o tempo que não voou
A estrela caiu do céu
O pedido que se pensou
O destino que se cumpriu
De sentir seu calor
E ser todo
Todo dia é de viver
Para ser o que for
E ser tudo

Sim, todo amor é sagrado
E o fruto do trabalho
É mais que sagrado
Meu amor
A massa que faz o pão
Vale a luz do teu suor
Lembra que o sono é sagrado
E alimenta de horizontes
O tempo acordado de viver

No inverno te proteger
No verão sair pra pescar
No outono te conhecer
Primavera poder gostar
No estio me derreter
Pra na chuva dançar e andar junto
O destino que se cumpriu
De sentir seu calor e ser tudo



29/9/1987 - Jornal do Brasil






1987 - BETO GUEDES
Participação Especial: CAETANO VELOSO
63.204.002 / 3:40
Álbum "Beto Guedes ao Vivo"
Gravado no Anfiteatro do Morro da Urca (RJ), nos dias 27 a 29 de agosto de 1987.
EMI-Odeon LP 066 748634 1, A-5.
EMI CD 364 748634 2, Track 5.




1987 - LUZ E MISTÉRIO


1987 - Beto Guedes e Caetano Veloso ensaiando para o show no Morro da Urca


 “Ele me mostrou uma música muito bonita, e estas palavras, “Luz e Mistério”, foram sugeridas, ao mesmo tempo, pela música e pelo clima do próprio Beto.”

Caetano Veloso





 




Música: Beto Guedes
Letra: Caetano Veloso
© 1978 EMI/Gapa-Warner Chappell


Oh! Meu grande bem
Pudesse eu ver a estrada
Pudesse eu ter
A rota certa que levasse até
Dentro de ti
Oh! Meu grande bem
Só vejo pistas falsas
É sempre assim
Cada picada aberta me tem mais
Fechado em mim

És um luar
Ao mesmo tempo luz e mistério
Como encontrar
A chave desse teu riso sério

Doçura de luz
Amargo e sombra escura
Procuro em vão
Banhar-me em ti
E poder decifrar teu coração

És um luar
Ao mesmo tempo luz e mistério
Como encontrar
A chave desse teu riso sério
O grande mistério, meu bem, doce luz
Abrir as portas desse império teu
E ser feliz






 


29/9/1987 - Jornal do Brasil






 




 

 
 









1987 - BETO GUEDES
Participação Especial: CAETANO VELOSO
63.203.952 / 3:41
Álbum "Beto Guedes ao Vivo"
Gravado no Anfiteatro do Morro da Urca (RJ), nos dias 27 a 29 de agosto de 1987.
EMI-Odeon LP 066 748634 1, A-4.
EMI CD 364 748634 2, Track 4.




miércoles, 7 de agosto de 2019

2019 - CAETANO, 77 anos


“Eu sigo “moleque”. Eu sei que sou velho, mas estou curioso para experimentar a velhice. A verdade é que, se não houver muitas desvantagens, nunca se é velho: a pessoa que você é ainda é o que você tem sido. Eu tenho muitas coisas dos meus 14 anos. E, claro, da minha infância. As coisas mais importantes acontecem quando somos muito novos.”

[Caetano Veloso, 6/8/2019]




C A E T A N O    77



MUITOS PARABÉNS !!!







martes, 6 de agosto de 2019

2019 - MARCELO COSTA




TREM DAS CORES

Do álbum CORES, NOMES (1982)


"Minha estreia com Caetano"
[Marcelo Costa]


1984 - BANDA NOVA [Marcelo Costa, Ricardo Cristaldi, Armando Marçal, Caetano Veloso, Tavinho Fialho, Zé Luiz e Tony Costa]

1984 - Tavinho Fialho, Marcelo Costa, Caetano Veloso e Tony Costa

1986 - O CINEMA FALADO [Marcelo Costa, Armando Marçal e Caetano Veloso]




"Este disco promove o encontro de artistas que estiveram e estão comigo. Cantando, tocando e celebrando a música do Brasil. Ao invés de dar uma festa, fiz esse disco"
[Marcelo Costa]



Foto: Reprodução / Facebook Marcelo Costa





2019
Álbum "Marcelo Costa - Vol. 1"
Biscoito Fino CD



01. MEU BOM
Intérprete: Caetano Veloso
Autoria: Marcelo Costa Santos
Editora: Emi (Sony ATV)


08. FEITIÇO DA VILA
Intérprete: Caetano Veloso e Zeca Assumpção
Autoria: Noel Rosa / Vadico
Editora: Mangione



1. MEU BOM
Compositor: Marcelo Costa Santos

Eu sou um Mar.... Celo
Eu sou só um som
Valeu meu bom, véio
Valeu dom, meu brow
Vou de costa à costa
Com todos os santos
Cantar pra quem gosta
Em todos os cantos
Grande força, cara
A tua presença



8. FEITIÇO DA VILA

Samba
Letra: Noel Rosa
Música: Vadico
1934

Quem nasce lá na vila
Nem sequer vacila
Ao abraçar o samba
Que faz dançar os galhos do arvoredo
E faz a lua nascer mais cedo

Lá em Vila Isabel
Quem é bacharel
Não tem medo de bamba
São Paulo dá café,
Minas dá leite
E a Vila Isabel dá samba

A Vila tem
Um feitiço sem farola
Sem vela e sem vintém
Que nos faz bem

O sol da Vila é triste
Samba não assiste
Porque a gente implora:
Sol pelo amor de Deus não venha agora
Que as morenas vão logo embora...

A Vila tem
Um feitiço sem farola
Sem vela e sem vintém
Que nos faz bem

Eu sei tudo que faço
Sei por onde passo
Paixão não me aniquila
Mas tenho que dizer,
Modéstia à parte meus senhores
Eu sou da Vila!







Baterista Marcelo Costa celebra trajetória em álbum cheio de convidados

O músico já trabalhou com a elite da MPB e trouxe para o disco nomes como Caetano Veloso e Gal Costa

Irlam Rocha Lima
10/09/2019 

Marcelo Costa: tocou com Chico Buarque, Gilberto Gil, Maria Bethânia, Marisa Monte e Gal Costa 
Foto: Jorge Bispo / Divulgação


De Chico Buarque a Mart’nália, de Gilberto Gil a Ana Carolina, de Maria Bethânia a Marisa Monte, de Gal Costa a Maria Gadú. É longa e eclética a lista de cantores, cantoras e instrumentistas com os quais o requisitadíssimo baterista e percussionista Marcelo Costa tocou em 45 anos de carreira.

Músico desde os 14 anos, quando passou a integrar o lendário grupo A Barca do Sol, que tinha o, hoje, imortal Geraldo Carneiro como componente. Dois anos depois Marcelo faria sua primeira gravação profissional no álbum Limite das águas, de ninguém menos que Edu Lobo, mestre da MPB.

Quando completou 25 anos de música, o baterista planejou lançar um disco, mas o projeto acabou sendo adiado. Agora, finalmente, para celebrar quatro décadas e meia de trajetória, ele lança Marcelo Costa – Vol. 1, CD que reúne registros feitos em estúdio entre 1994 e 1999. Nesse projeto, pela primeira vez, Marcelo canta em algumas faixas. Uma delas, Na cadência do samba (Ataulfo Alves) – a única gravada há dois anos – ganhou clipe, com direção e fotografia de Batman Zavarese.

Entre as 12 faixas do 10 conta com a participação de convidados, entre eles Caetano Veloso (Feitiço da Vila, Noel Rosa e Vadico), Gal Costa (Beija-me, Roberto Martins e Mário Rossi), Adriana Cavalcanti (Do fundo do meu coração, Roberto e Erasmo Carlos), Lulu Santos (Ela falava nisso todo dia, Gilberto Gil), Igreja da Pilar (Toninho Horta) e Boca Livre (Alegria, Arnaldo Antunes).

Em quatro décadas de carreira, quais foram os momentos mais marcantes vividos por você?
A ideia inicial era lançar o disco para comemorar os 25 anos de profissão, mas acabou que ele só está saindo agora, que já tenho 45 anos de carreira. Em vez de dar uma festa, fiz esse disco. Foram muitos momentos marcantes, não teria como destacar apenas alguns. O que eu acho mais incrível é o fato de eu ter me tornado uma pessoa que faz parte da música brasileira, de alguma forma.

Entre os tantas cantores e cantoras que acompanhou, com quem tem 
uma maior identificação?
Identifico-me com muitas pessoas que já tive a alegria de acompanhar nesses 45 anos de carreira.

Quando fez os registros das músicas já imaginava reuni-las num disco?
Quando eu comecei a gravar essas músicas, meu plano era fazer um disco. Eu não lancei antes porque tentei negociar com algumas gravadoras, mas elas não toparam. O plano, porém, sempre foi esse desde o inicio. Fazer um disco.

A escolha das músicas que estão no Vol. 1 foi sua.
Sim, a escolha do repertório foi minha. Algumas canções têm significado especial para mim, como Beija-me, uma música que eu ouvia na minha infância. Meus pais ouviam no disco da Elizete Cardoso com o Cyro Monteiro. Outras, eu escolhi pelo que dizem as letras, mas todas elas têm um significado muito forte dentro da música brasileira, além de serem muito bonitas.

Em a algumas faixas você canta. Já havia vivido essa experiencia ao vivo ou isso ficou restrito a estúdio?
Eu cantei muito pouco na vida. No final do grupo A Barca do Sol, houve o lançamento do terceiro disco, e tinha uma música que eu cantava. Em uma turnê que fiz com Lulu Santos, eu falava aquele texto inteiro do rap de Cachimbo da paz, do Gabriel O Pensador. São as minhas experiências de cantar ao vivo, até agora.

Foi você quem selecionou as músicas que seus convidados interpretaram, ou a opção foi deles?
São ao todo 10 convidados no disco, dos quais quatro interpretam composições próprias, sendo que duas são instumentais. O Zé Miguel Wisnik, o Péricles Cavalcanti, o Toninho Horta e o meu irmão, Muri Costa. As outras canções, gravadas por Caetano, Gal, Adriana, Boca Livre e Lulu Santos, foram escolhidas por mim para eles cantarem.

Caetano Veloso transformou Feitiço da Vila, samba de Noel Rosa e Vadico, numa bossa. Quem criou os arranjos para essa e outras músicas
Não faço distinção entre a bossa nova e o samba. Para mim, é tudo a mesma coisa. Essa é a maneira do Caetano de cantar a música uma música que ele gosta. Diria que é um samba tocado de outra maneira, afinal, a bossa nova é um tipo de samba, né?






2004 - A PESCARIA


Compositores: Wilson Ribeiro Pimentel e Conceição Alves Ferreira

Pego minhas redes, vou pro rio pescar
Levo essa morena e a viola pra pontear
Entro na canoa, atravesso pro lado de lá
Com essa morena do lado, pesco até o dia clarear
Jogo a tarrafa, ela segura o samburá
Quando pego o peixe, nele colocar
Logo mais a meia-noite, o frio começa a apertar
Saimos pra margem do rio, largamos os peixes pra lá
Acendo um fogo pra nós dois se aquecer
Preparo um cafezinho, espero o dia amanecer
Pego a viola e faço um ponteado
Sentados na beira do rio
Com viola e violão afinados 





2004 - CAETANO VELOSO E MARIA BETHÂNIA
BR-PUI-04.00565 / 2:55
Álbum “Namorando a rosa - Em homenagem à música de Rosinha de Valença”
[Varios intérpretes]
Biscoito Fino / Quitanda CD qui 004 / AB0005000, Track 13.



 1966 - Revista Realidade


2004 - Célia Vaz, Alcione, Maria Bethânia, Dona Ivone Lara e Miúcha
Foto: Elisa Ramos