sábado, 22 de abril de 2017

2004 - GAL COSTA // Todas as coisas e eu



Álbum 2003






® Daniel Klajmic – 2003

FOLHA DE S.PAULO
Ilustrada

Gal Costa abre turnê "Todas as Coisas e Eu" no DirecTV

18/06/2004 - 12h29
da Folha Online


A cantora Gal Costa dá início à turnê de lançamento do disco "Todas as Coisas e Eu" com uma temporada de quatro shows no DirecTV Music Hall, em São Paulo, na próxima semana.

Entre os destaques do espetáculo está uma canção inédita de Chico Buarque, com letra de José Miguel Wisnik --que não está no CD-- e a volta de Gal Costa acompanhando-se ao violão em três músicas, além de novos arranjos para o álbum que já vendeu mais de 100 mil cópias.

A melodia da nova música de Chico foi composta para a versão italiana do filme "Dona Flor e seus Dois Maridos", mas acabou ficando guardada. A assessoria de Gal Costa informou que Wisnik ainda não terminou a letra e não batizou a faixa, mas que ela deve entrar no repertório da próxima semana.

Com um grupo de formação intimista --um quarteto composto por Jurim Moreira (bateria), Marcos Teixeira (violão), Bororó (baixo acústico) e Zé Canuto (sopros)--, a cantora interpretará obras do cancioneiro compostas entre as décadas de 1920 a 1970.

No repertório estão canções como "Folhas Secas" (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito), "Copacabana" (Braguinha), "Dono dos Teus Olhos" (Humberto Teixeira) e "Pra Machucar Meu Coração" (Ary Barroso), além de músicas de compositores contemporâneos, como Arnaldo Antunes.

Com direção de Bia Lessa e direção musical de Eduardo Souto Netto, "Todas as Coisas e Eu" é o primeiro show de lançamento de um disco de Gal Costa desde 1999, quando saiu o tributo a Tom Jobim.

Depois de São Paulo, Gal realiza apresentações na Europa, voltando em julho para shows no Rio, no circuito Sesc do interior paulista, e por mais cinco capitais.


GAL COSTA
Local: DirecTV Music Hall (av. Jamaris, 213, Moema, SP)
Quando: 24, 25, 26 e 27 de junho (quinta-feira às 21h30, sexta e sábado, às 22h, domingo às 20h)
Quanto: de R$ 40 a R$ 80
Informações: 0/xx/11/6846-6040



30 de junho de 2004

Gal Costa toca violão em novo show



Redação Terra

A cantora Gal Costa escolheu São Paulo para dar início aos shows de lançamento de seu mais recente álbum, Todas as coisas e eu.

Entre os dias 24 e 27 de junho, a intérprete lotou o DirecTV Music Hall.

Quem esteve lá pôde conferir o repertório do álbum que já vendeu mais de 100 mil cópias.

A grande surpresa ficou por conta do acompanhamento para algumas canções do show. Nelas, Gal tocou violão ao vivo - coisa que não fazia desde o final dos anos 60 e início dos 70. 




O repertório das apresentações, que tiveram a direção assinada por Bia Lessa, apostou na diversidade e foi desde Pra Machucar Meu Coração, de Ary Barroso, a Dono dos Teus Olhos, de Humberto Teixeira, passando por Folhas Secas, de Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito e pela obra pop-concreta de Arnaldo Antunes.

Ao lado da cantora, uma formação enxuta composta por Marcos Teixeira (violão), Bororó (baixo acústico), Zé Canuto (sopros) e Jurim Moreira (bateria).

A turnê se estenderá pelo Brasil assim que a cantora retornar da Europa. Em julho, cariocas, moradores do interior paulista e fãs de outras cinco capitais terão a oportunidade de assistir Gal e todas as outras coisas.







O Estado Do Paraná

31/7/2004



Novo grande show de Gal Costa


Redação



No palco do Canecão, Gal Costa prova que – ainda e, em certos sentidos, cada vez mais – é uma grande cantora, com total domínio e consciência de sua voz e interpretação.

Mas Todas as coisas e eu, que estreou nesta quinta-feira – a temporada segue até domingo – está longe de ser um grande show. Se, ao cantar, ela consegue elevar o público em momentos sublimes, o espetáculo o tempo todo procura trazê-lo de volta ao chão, seja por problemas de anticlímax no roteiro, pelo gosto duvidoso da cenografia ou mesmo na concepção musical, refinada, mas que peca pela falta de ousadia.

Quando volta a tocar violão ao vivo, como não fazia há tempos, e resgata músicas perdidas em seu repertório antigo, Gal deixa no ar um recado: “Todas as coisas e eu” tem um tanto de balanço e, ao mesmo tempo, de reflexão sobre a maturidade de seu cantar. Não por acaso começa a capella com Alguém cantando e termina com Força estranha, na qual mostra suas têmporas ao cantar o “cabelo branco na fronte do artista”. As duas canções são de Caetano Veloso, com quem ela gravou seu primeiro disco, Domingo.

Entre Alguém cantando e Força estranha, Gal se esmera em suas nuances interpretativas, num repertório que inclui muito do CD Todas as coisas e eu, dedicado ao cancioneiro brasileiro pré-bossa-nova. A sensualidade explosiva de outros tempos hoje é brejeiramente insinuada (com sucesso) em canções como Baião dos quatro toques, lindo baião metalingüístico de Zé Miguel Wisnik, Camisa amarela, Dama do cassino, Lá vem a baiana e Linda flor.

O show, porém, não é apenas a grandeza de Gal. “Caribantu”, bela canção de Lenine e Sergio Natureza, é o primeiro equívoco – a música perde força na versão de Gal e, com seu impacto percussivo, soa perdida num repertório com ares de clássico.

O roteiro tem outros problemas, principalmente de ritmo. Exemplo: da alegria de “Lá vem a baiana” cai na circunspecção de “Ave Maria do morro”, sem escalas.

Como vem sendo há anos, Gal ainda deve um show (e um CD) à sua altura. Ainda não é Todas as coisas e eu.






Fotos: Reinaldo Marques / Terra


 
 





Músicos:
Violão e guitarra: Marcus Teixeira
Pandeiro, vocal, contrabaixo: Bororó [Dimerval Felipe da Silva]
Percussão, batería: Jurim Moreira
Saxofone, vocal, percussão: Zé Canuto





1. ALGUÉM CANTANDO (Caetano Veloso)

2. NEGA MANHOSA (Herivelto Martins) / SAMBA RUBRO NEGRO (Jorge Castro/Wilson Batista)

3. UM FAVOR (Lupicínio Rodrigues)

4. TRÊS DA MADRUGADA (Carlos Pinto/Torquato Neto)

5. CARIBANTU (Lenine/Sérgio Natureza)

6. IMBALANÇA (Luiz Gonzaga/Zé Dantas)

7. BAIÃO DE QUATRO TOQUES (José Miguel Wisnik/Luiz Tatit)

8. PRA MACHUCAR MEU CORAÇÃO (Ary Barroso)

9. FIM DE CASO (Dolores Duran)

10. NOSSOS MOMENTOS (Haroldo Barbosa/Luis Reis)

11. CAMISA AMARELA (Ary Barroso)

12. DAMA DO CASSINO (Caetano Veloso)

13. ALGUÉM COMO TU (José Maria de Abreu/Jair Amorim)

14. E DAÍ? [Proibição inútil e ilegal] (Miguel Gustavo)

15. LINDA FLOR [Yayá] [Ai, yoyô] (Henrique Vogeler/Luiz Peixoto/Marques Porto)

16. NADA ALÉM (Custódio Mesquita/Mário Lago)

17. LÁ VEM A BAIANA (Dorival Caymmi)

18. AVE MARIA NO MORRO (Herivelto Martins)

19. ASSUM PRETO (Luiz Gonzaga/Humberto Teixeira)

20. VAPOR BARATO (Jards Macalé/Waly Salomão)

21. FOLHAS SECAS (Guilherme de Brito/Nelson Cavaquinho)

22. ALEGRIA (Assis Valente)

23. NA LINHA DO MAR (Paulinho da Viola)


Bis

24. CHORA TUA TRISTEZA (Oscar Castro Neves/Luverci Fiorini)

25. COPACABANA (Dorival Caymmi/Carlos Guinle) / SÁBADO EM COPACABANA (João de Barro/Alberto Ribeiro)


Bis

26. FORÇA ESTRANHA (Caetano Veloso)









2004

Revista QUEM

Edição 204 - 4/8/2004



TODAS AS COISAS  E GAL



Após seis anos afastada dos palcos cariocas, Gal Costa voltou ao Rio de Janeiro para a turnê do show Todas as coisas e eu na quinta-feira, 29/9, no Canecão.



Na platéia, o clima era de nostalgia. Entre as pessoas que foram prestigiar a cantora baiana estavam o novelista Gilberto Braga e a jornalista Glória Maria.


TIETAGEM EXPLÍCITA


Chico Buarque e Caetano Veloso tietaram Gal Costa no Rio. 

Fotos: Cia da Foto



O show de Gal Costa no Canecão, domingo, 1º, no Rio, se transformou num encontro de gigantes. Na primeira fila, Chico Buarque acompanhou atento ao espetáculo da amiga.

Junto com o filho Moreno, Caetano Veloso também apareceu por lá. Ele veio direto do Recife, onde havia se apresentado, para paparicar Gal.

Depois do show, a tietagem continuou no camarim.

'Estava tudo lindo', afirmou Caetano. 'Gal estava deslumbrante', completou Chico.
 


Revista 
ISTOÉ Gente
9/8/2004

Edição n° 261


Gal Costa recebe a bênção de Chico Buarque


1/8/2004 - Foto: Eraldo Platz / Cia da Foto

Gal Costa encerrou a temporada carioca do show Todas as Coisas e Eu, no domingo 1º, no Canecão, no Rio, com a bênção de Chico Buarque. O compositor, que foi reverenciado durante o show pela cantora, que se ajoelhou no palco, deixou a mesa na primeira fila ainda durante o bis para evitar tumultos.

Chico seguiu para o camarim, onde foi um dos primeiros a parabenizar a amiga. “O show foi o máximo. A Gal está sempre maravilhosa, mas esta apresentação, especialmente, foi deslumbrante”, elogiou ele.
  





 
28/10/2004 - Gal Costa no Canecão, no Rio de Janeiro
Foto: João Cordeiro Jr / Folhapress 


28/10/2004 – Sandra Gadelha e Preta Gil posam para fotos ao lado da cantora Gal Costa no Canecão, no Rio de Janeiro – Foto: João Cordeiro Jr / Folhapress

28/10/2004 - Glória Maria (esq.) e a produtora Paula Lavigne (dir.) posam para fotos ao lado da cantora Gal Costa - Show no Canecão, no Rio de Janeiro – Foto: João Cordeiro Jr / Folhapress


28/10/2004 - Paula Lavigne, no Canecão, no Rio de Janeiro
Foto: João Cordeiro Jr / Folhapress


28/10/2004 - Djavan, sua mulher e a jornalista Glória Maria (dir.) posam para fotos ao lado da cantora Gal Costa (centro), Canecão, no Rio de Janeiro
Foto: João Cordeiro Jr / Folhapress

31/10/2004 - Fernanda Montenegro posa para foto com a cantora Gal Costa no Canecão, Rio de Janeiro – Foto: João Cordeiro Jr / Folhapress







No hay comentarios:

Publicar un comentario