miércoles, 5 de octubre de 2016

1983 - PETER GABRIEL




"... Jornal Nossa Música: Você esteve com Mick Jagger e com Peter Gabriel (ex-Gênesis). Como começou isso de querer fazer esses contatos? Foi mais como fã, admirador, como foi?

Caetano Veloso: Não começou nada. Apenas me convidaram pra fazer essa entrevista pra TV Manchete, eles iam entrevistar o Mick Jagger e me pediram pra ajudar a entrevistar. E eu fiz isso de fato. De volta da Inglaterra eu estava mixando meu disco no estúdio da PolyGram, quando chegou um rapaz da parte internacional dizendo que Peter Gabriel estava lá em cima, e que fazia questão de me conhecer, se eu permitia que ele entrasse na minha sala de mixagem. E eu disse: Tá legal! Aí ele veio, ficou conversando comigo, ouviu umas faixas... Mas eu não sou fã do Gênesis, como sou fã do Mick. Foi ele quem quis falar comigo, quis me conhecer. ..."

[En entrevista exclusiva a Sara Amorim, 1983]


 
Maio/1983 - com Peter Gabriel [Estúdio da Polygram (Barra da Tijuca/RJ)]

FOLHA DE S.PAULO
Quarta-feira, 25 de maio de 1983
Painel da Ilustrada

Um espanto

Peter Gabriel, o genial ex-vocalista do Gênesis chegou de férias ao Rio de Janeiro na semana pasada e ficou escondido na casa de um amigo. Descoberto, ele foi convidado por sua gravadora, a PolyGram, para conhecer seus estúdios. Lá, Peter encontrou Caetano Veloso, apresentou-se, e, os dois se engajaram num longo e animado papo.
De tudo que conversaram, a única coisa que espantou Peter foi o que Caetano contou a respeito de nossa censura: ele levou um susto ao saber que, no Brasil, todas as músicas têm que pasar pela censura antes de serem lançadas.


Maio/1983 - Peter Gabriel [Estúdio da Polygram (Barra da Tijuca/RJ)]
Foto: Maurício Valladares - Site RoNca RoNca


 
Junho/1983 - Foto: Maurício Valladares - Site RoNca RoNca


Caetano Veloso
Texto de apresentação do álbum “Tropicália 2”
Lançamento: 12 de agosto de 1993

“…Um dia Peter Gabriel veio me ver no estúdio da PolyGram. Acho que tinham lhe falado de uma gravação minha em que eu misturava escola de samba com teclados (era o "É Hoje" da União da Ilha no LP "Uns"). O fato é que ele, muito gentil, se mostrou entusiasmado com a idéia e decepcionado com o resultado. Eu próprio, ouvindo ao lado dele, achei tudo muito "sujo", o som empastado. Ele então me aconselhou: o artista não deve produzir os próprios discos, a presença do produtor que se ocupará de conseguir, organizar e criticar os sons é necessária, para deixar o artista fazer sua coisa com calma e o resultado geral terá maior clareza. Fiquei com isso na cabeça, e logo depois, Vinícius Cantuária me comunicou sua decisão de deixar a banda pra trabalhar seu próprio repertório e me sugeriu que criasse uma banda nova. Veio o "Velô", em que eu parti para uma outra solução: fazer uma excursão com o show antes de gravar o disco e gravá-lo com os arranjos amadurecidos. Pedi a Ricardo Cristaldi, o tecladista da banda nova, para atuar como produtor na fase de acabamento do disco. Só depois é que eu fui fazer a experiência com Guto Graça Mello, Arto Lindsay e Peter Scherer. Liminha é um tropicalista histórico, de primeira hora. Foi comigo - e na época do tropicalismo - que ele começou sua vida profissional como (excelente) contrabaixista. Depois é que ele foi tocar com os Mutantes, em sua versão progressiva dos anos setenta. O famoso produtor que imprimiu sua marca de sonoridade no rock Brasil dos anos oitenta e trouxe desembaraço tecnológioco para todos os discos de Gil dos últimos anos - esse é um personagem novo para mim. Foi extraordinariamente produtivo trabalhar com ele, que assumiu o papel propriamente do produtor - eu e Gil assinamos a co- produção apenas porque já fomos para ele com planos de arranjo muito definidos e porque algumas coisas ("Nossa Gente", "Desde que o Samba é Samba", "Baião Atemporal") gravamos enquanto ele estava em Los Angeles. …”




No hay comentarios:

Publicar un comentario