jueves, 7 de julio de 2016

2016 - POESIA E PROSA com MARIA BETHÂNIA





Você vai comandar um programa no Canal Arte 1 chamado Poesia com Maria Bethânia?

Maria Bethânia — Não vou comandar, apenas participar. A Monica Monteiro, do Arte 1, assistiu a uma apresentação que fiz em Braga, Portugal, recentemente e me convidou.



“A marca principal do programa é a descontração”, conta Mônica Monteiro , CEO da Cine Group, a produtora responsável pela série. “Uma estimulante e descontraída conversa entre amigos.”



 




A TARDE
Cultura
Sáb, 2/7/2016
"Santo Amaro é uma terra de poetas", diz Bethânia
Daniel Oliveira


Bethânia vai estrear um programa de poesia e prosa no Arte1





A literatura ocupa lugar essencial na vida de Maria Bethânia. Não apenas como fruição cotidiana, mas também no trabalho musical. A poesia e a prosa estão constantemente presentes em suas interpretações nos palcos, nos  fonogramas e em outros projetos especiais. A raiz dessa relação é primordial: encontra-se em Santo Amaro, quando ainda garota convivia com os numerosos poetas do Recôncavo.


"Escuto poesia desde menina, meu pai tinha amigos poetas. Quando era criança, brincando, ouvia a palavra em meio àqueles senhores conversando sentados. Gostava muito. Santo Amaro é uma terra de poetas", diz Bethânia.

Um pouco mais tarde, morando em Salvador na adolescência, recebeu preciosa indicação de Caetano Veloso, num tom extremamente afetuoso: Clarice Lispector. A cantora não recorda com exatidão qual era o conto, "talvez Desassossego". "Lembro da força. Ele me falou: 'você vai se identificar, menina'. Na primeira frase, de cara, afirmei: 'Caetano, é isso aqui!'.


Por conta dessa conexão, o irmão é o convidado do primeiro episódio - dedicado à obra literária de Clarice - do programa Poesia e Prosa com Maria Bethânia, que estreia hoje, às 22h, no Arte 1. A atração resulta da parceria do canal com a produtora Cine Group, tem direção geral de Mônica Monteiro e exibe a cantora Bethânia também no papel de entrevistadora.


Temas profundos e eternos, como a emoção, o dito e o não dito e a loucura, a partir do texto e da personalidade de Clarice, fazem parte do enredo do bate-papo entre Caetano, Bethânia e a professora da Universidade de São Paulo, Nádia Gotlib, biógrafa da autora.


O programa tem quatro semanas - sempre aos domingos, no mesmo horário. Além do irmão, Bethânia recebe Paulo César Pinheiro, Chico Buarque e Jorge Mautner. Eles discutem respectivamente Guimarães Rosa, João Cabral de Melo Neto e Castro Alves. Especialistas em literatura brasileira participam das conversas, entremeadas por descontração, declamações e canções. "Pedi para sempre ter alguém de música para mostrar a sonoridade dos autores", explica.


"Na urgência de quatro, fomos fechando. Tinha que ter Guimarães Rosa, João Cabral, Clarice e exigi que tivesse Castro Alves, porque é um poeta que deve ser lido, os jovens devem aprender Castro Alves. Em um mundo tão violento, racista, retrógrado, burro, ele é avançado. Fez aquilo aos 23 anos com tanta clareza", afirma a cantora sobre o poeta baiano abolicionista. Ela, entretanto, faz ressalva sobre o autor: "apesar disso tudo, tinha escravo".


Em um trecho do livro Verdade Tropical, ao falar do período em que viveu com Bethânia em Salvador, Caetano Veloso narra que a irmã "lia Carson McCullers,  Clarice Lispector e  escrevia uns textos bonitos de prosa poética". Bethânia conta que  parte desses escritos se perderam no tempo. Atualmente, a produção literária da cantora é fugaz. Logo após escrever, o que estava fazendo, aliás, em sua casa no Rio de Janeiro  antes de começar a entrevista com reportagem de A TARDE, ela diz que  costuma atear fogo nos papéis.


"Escrevo sempre, mas queimo. É um exercício que sempre me exigiu, me cobrou.  Isso de queimar  deve ter uma relação no nível mais alto do significado. Parece uma coisa melodramática, mas não é. Acho que sacraliza, fica perene e, ao mesmo tempo, transforma. Escrevo para aguentar a vida".

Maria Bethânia também lembra que, na juventude, Caetano sempre estimulava essa atividade. "Em Salvador (anos 1960), ele falava: 'você vai ser escritora'. Eu dizia, 'eu gosto de palco, escritora é dentro de casa'. Como Caetano era muitas coisas, pintor, crítico de cinema, compositor, ele também achava que eu poderia abrir um leque maior. Mas ele gostava do que eu escrevia".


Com Poesia e Prosa, que a priori não terá segunda temporada, Bethânia contribui ainda mais na difusão da literatura brasileira, o que já faz em seus shows. "A poesia nunca se abala. Nem aqui nem em qualquer outro lugar do mundo!", assegura.






1/7/2016

Clic Folha



Maria Bethânia estreia programa sobre literatura


Cantora. Talento para comentar e declamar


Quando menina, Maria Bethânia recebeu um conselho que veio quase como uma ordem de seu irmão, Caetano Veloso: “Leia essa escritora, sei que você vai gostar”. Era Clarice Lispector, cuja obra ardente, enigmática e responsável por um movimento ficcional absolutamente novo havia despertado a paixão do jovem compositor baiano. “Caetano me mostrou Clarice quase como um professor, do jeito dele, lendo de forma mágica, me dando uma orientação para eu ler”, conta Bethânia.

A partir do dia 3 de julho, às 22 horas, a cantora poderá ser vista como entrevistadora do programa Poesia e Prosa com Maria Bethânia, a ser transmitido pelo canal Arte 1. Inicialmente, serão quatro episódios, um a cada domingo, nos quais Bethânia vai conversar com seus convidados sobre autores que transformaram sua carreira e também sua existência. O primeiro, no dia 3, será justamente sobre Clarice Lispector. Em seguida, os homenageados serão Guimarães Rosa (dia 10), João Cabral de Melo Neto (17) e Castro Alves (24). “A marca principal do programa é a descontração”, conta Mônica Monteiro, CEO da Cine Group, a produtora responsável pela série. “Uma estimulante e descontraída conversa entre amigos.”

E que amigos! Sobre Clarice, Bethânia troca ideias com Caetano e a professora Nádia Gotlib; Guimarães Rosa inspira a conversa com o historiador Alberto da Costa e Silva e o compositor Paulo César Pinheiro; a obra de João Cabral é tema da reunião com Chico Buarque e o professor Wander Miranda; e, finalmente, a poesia de Castro Alves inspira o papo com Costa e Silva e o cantor e compositor Jorge Mautner.

A literatura ganha novos tons e contornos quando interpretada por Maria Bethânia. Desde o já célebre Rosa dos Ventos, espetáculo dirigido por Fauzi Arap em 1971, quando a cantora deu nova vida à linguagem literária, ela criou uma nova gramática para se declamar e cantar a poesia. “Maria Bethânia é hoje a mais requintada intérprete do Brasil, capaz de explorar, por meio da voz e da interpretação, com talento e audácia, as possibilidades de nossa língua poética”, observa a historiadora Heloisa Starling, que trabalhou na idealização e coordenação da pesquisa da série.

Isso é o trabalho de interpretação”, diz Bethânia. “Foi o que aprendi nesses anos todos, o tempo de cena, de conhecimentos, a felicidade de conhecer grandes autores, grandes diretores. Fauzi me guiou muito bem, encontrou essa maneira de eu me expressar completa. Ele me fez ver que sou música, que sou teatro, que sou palavra. Ele conseguiu pescar isso em mim - transformou e elaborou a dramaturgia que eu sigo e que realmente me traduz.

Poesia e Prosa com Maria Bethânia traz o equilíbrio perfeito entre erudição e descontração. Logo no primeiro programa, Bethânia fala de sua relação com Clarice Lispector. A escritora acompanhou os ensaios de Rosa dos Ventos, mas foi na estreia que falou diretamente com a cantora. “Quando terminou o espetáculo, eu estava no camarim, que ficava abaixo do palco. Eu me preparava para subir quando vi Clarice lá em cima, como uma estátua, deslumbrante, rodeada de luz. Ao me ver, gritou assim: ‘Faíscas, faíscas no palco!’. Eu falei: ‘Clarice...’. E ela repetiu: ‘Faíscas, faíscas no palco!’. E foi embora. Essa história me faz lembrar de outra, também linda, de quando conheci Mãe Menininha. Fui levada por Vinicius de Moraes, que me disse: ‘bote sua cabeça no chão’. Eu botei e ela falou: ‘Ave Maria, quanta faísca, meu Deus!’. Não é lindo, as duas falarem de faíscas?”

Outro momento marcante desse primeiro episódio é a canção, inspirada no livro A Hora da Estrela, interpretada por Bethânia e Caetano. Aliás, são de pequenas grandes revelações que se formam todos os programas da série. Quando o homenageado é João Cabral de Melo Neto, Bethânia ouve de Chico Buarque que uma de suas obras-primas, Construção, tem uma estrutura essencialmente cabralina. A dupla, aliás, interpreta justamente essa canção.

Bethânia faz questão de ressaltar que a poesia de Cabral não é apenas seca e cerebral, como habitualmente é tachada, mas também romântica, ainda que de uma forma peculiar. Ela confessa também a dificuldade que ainda encontra para declamar versos do poeta. “A sensação que tenho é que sua escrita é tão forte, tão bonita e completa que qualquer coisa ali sobra. Até a sonoridade das palavras interfere. Imagino o João Cabral reclamando: ‘mas que inferno essa mulher dizendo meus versos. Deixa meu poema! Ele está escrito. Basta!’.”

A cantora também é surpreendida por seus convidados. É o que acontece, por exemplo, quando ouve de Paulo César Pinheiro, no programa sobre Guimarães Rosa, a confissão de que compôs um de seus clássicos, Matita Perê, especialmente para Bethânia interpretar. Mas ela teria recusado, alegando não “cantar música de festival”. O mal-entendido se desfaz com uma belíssima apresentação.

Aqui, como nos demais episódios, a presença de um acadêmico serve para temperar a discussão, com observações mais profundas. O artista plástico e pesquisador Roberto Corrêa dos Santos, por exemplo, diz que Clarice Lispector buscava chegar ao limite da loucura, mas sem perder a consciência. Mas é de Alberto da Costa e Silva o comentário mais maroto, ao falar sobre o abolicionismo fervoroso que marca os poemas de Castro Alves: “mas ele tinha escravos”.



3 / 7 / 2016
Poesia & Prosa com Maria Bethânia
Episódio: CLARICE LISPECTOR



A estreia traz o músico Caetano Veloso, irmão de Bethânia, e a professora da USP (Universidade de São Paulo) Nádia Gotlib falando da linguagem, delicadeza e percepção da escritora Clarice Lispector (10/12/1920 - 9/12/1977). Nádia é biógrafa de Clarice Lispector. O programa contará ainda com o depoimento do artista plástico e pesquisador Roberto Corrêa dos Santos. Ele é professor da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e organizador dos livros “As Palavras” e “O Tempo”, baseados na obra de Clarice Lispector. Bethânia interpreta trechos de contos e crônicas da escritora, como “As Três Experiências” e Maio, a Perigosa Yara”. A cantora e Caetano interpretam ainda canções compostas para o espetáculo apresentado por Bethânia nos anos 1980, inspirado no livro “A Hora da Estrela”. Cada programa tem meia hora de duração.

Mônica Monteiro e Caetano Veloso nos bastidores do programa "Prosa e Poesia"



"Esclarecimentos: Explicação de uma vez por todas" (14/11/1970)

"... E a história é a seguinte: eu nasci na Ucrânia, terra de meus pais. Nasci numa aldeia (*), que não figura no mapa de tão pequena e insignificante. Quando minha mãe estava grávida de mim, meus pais já estavam se encaminhando para os Estados Unidos ou Brasil, ainda não haviam decidido: pararam na aldeia para eu nascer, e prosseguiram viagem. Cheguei ao Brasil com apenas dois meses de idade. Eu sou brasileira naturalizada, por uma questão de meses, poderia ser brasileira nata. Fiz da língua portuguesa a minha vida interior, o meu pensamento mais íntimo, usei-a para palavras de amor. Comecei a escrever pequenos contos logo que me alfabetizaram, e escrevi-os em português, é claro..."
"...Se minha família tivesse optado pelos Estados Unidos, eu teria sido escritora? em inglês, naturalmente, se fosse. Teria casado provavelmente com um americano e teria filhos americanos. E minha vida seria inteiramente outra. Escreveria sobre o qué?. O que é que amaría? Seria de que Partido? Que gênero de amigos teria?. Mistério. ..."
 

 (*) Tchechelnik


Capa da primeira edição do livro de contos  
A legião estrangeira (Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1964).




A última entrevista de Clarice Lispector foi concedida a TV Cultura em 1977


 

"...

Clarice, a partir de qual momento você efetivamente decidiu assumir a carreira de escritora?
Eu nunca assumi.
 


Por quê?
Eu não sou uma profissional, eu só escrevo quando eu quero. Eu sou uma amadora e faço questão de continuar sendo amadora. Profissional é aquele que tem uma obrigação consigo mesmo de escrever. Ou então com o outro, em relação ao outro. Agora eu, faço questão de não ser uma profissional para manter minha liberdade. 

..." 
[Entrevista concedida ao jornalista Júlio Lerner, em 1 de fevereiro de 1977, para o programa “Panorama”, da TV Cultura, de São Paulo.]






"As Três Experiências" (11/5/1968)



"... Sempre me restará amar. Escrever é alguma coisa extremamente forte mas que pode me trair e me abandonar: posso um dia sentir que já escrevi o que é meu lote neste mundo e que eu devo aprender também a parar. Em escrever eu não tenho nenhuma garantia. Ao passo que amar eu posso até a hora de morrer. Amar não acaba. É como se o mundo estivesse a minha espera. E eu vou ao encontro do que me espera."


"... Adestrei-me desde os sete anos de idade para que um dia eu tivesse a língua em meu poder. E no entanto cada vez que eu vou escrever, é como se fosse a primeira vez. Cada livro meu é uma estréia penosa e feliz. Essa capacidade de nos renovar à medida que o tempo passa é o que eu chamo de viver e escrever..."


“Há três coisas para as quais eu nasci e para as quais eu dou a minha vida. Nasci para amar os outros, nasci para escrever, e nasci para criar meus filhos. "O amar os outros" é tão vasto que inclui até o perdão para mim mesma com o que sobra. As três coisas são tão importantes que minha vida é curta para tanto. Tenho que me apressar, o tempo urge. Não posso perder um minuto do tempo que faz minha vida . Amar os outros é a única salvação individual que conheço: ninguém estará perdido se der amor e às vezes receber amor em troca. E nasci para escrever. A palavra é meu domínio sobre o mundo. Eu tive desde a infância várias vocações que me chamavam ardentemente. Uma das vocações era escrever. E não sei por que, foi esta que eu segui. Talvez porque para outras vocações eu precisaria de um longo aprendizado, enquanto que para escrever o aprendizado é a própria vida se vivendo em nós e ao redor de nós. É que não sei estudar. E, para escrever, o único estudo é mesmo escrever. ..."



A Professora Nádia Gotlib, fala da "dimensão humanística muito grande".

“Caetano Veloso declara que ler Clarice é como conhecer uma pessoa

[MANZO, Lícia. Era uma vez: EU - A não ficção na obra de Clarice Lispector
Juiz de Fora: Editora UFJF, 2002. (p. 54)]




1984 - Programa do espetáculo





 

A HORA DA ESTRELA DE CINEMA
Música y letra: Caetano Veloso
© 1984 Gapa / Saturno


Embora minha pele cáqui

Sem rosa ou verde, sem destaque

E minha condição mofina, jururu, panema

Embora, embora
Há uma certeza em mim, uma indecência

Que toda fêmea é bela

Toda mulher tem sua hora

Tem sua hora da estrela
- Sua hora da estrela de cinema


Capibaribe, Beberibe, Subaé, Francisco

Tudo é um risco só, e o mar é o mar

E eu quase, quase não existo

E sei, eu não sou cega

O mundo me navega

E eu não sei navegar


Existe um homem que há nos homens

Un diamante em minhas fomes

Rosa claríssima na minha prosa

Sem poema e fora e fora

De mim, de dentro afora uma ciência

Que toda fêmea é bela

Toda mulher tem sua hora

Tem sua hora da estrela
- Sua hora da estrela de cinema
 



O NOME DA CIDADE
Música y letra: Caetano Veloso

© 1984 Gapa / Saturno



Onde será que isso começa
A correnteza sem paragem
O viajar de uma viagem
A outra viagem que não cessa

Cheguei ao nome da cidade
Não a cidade mesma espessa
Rio que não e rio: imagens
Essa cidade me atravessa
Ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô, êh, boi!, êh, bus!

Será que todo me interessa
Cada coisa é demais e tantas
Quais eram minhas esperanças
O que é ameaça e o que é promessa

Ruas voando sobre ruas
Letras demais, tudo mentindo
O Redentor que horror! que lindo!
Meninos maus, mulheres nuas
Ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô, êh, boi!, êh, bus!

A gente chega sem chegar
Não há meada, é só o fio
Será que pra o meu própio rio
Este rio é mais mar que o mar
Ô-ô-ô-ô-ô-ô-ô, êh, boi!, êh, bus!
Sertão...
Sertão, êh, mar!



10 / 7 / 2016
Poesia & Prosa com Maria Bethânia
Episódio: GUIMARÃES ROSA















O segundo programa é sobre a obra de Guimarães Rosa (1908-1976). O escritor revelou um sertão mágico por meio da sua linguagem e realizou uma das obras mais significativas da literatura brasileira: “O Grande Sertão: Veredas”. Embaixador, historiador e membro da Academia Brasileira de Letras, Alberto da Costa e Silva participa da conversa ao lado do cantor e compositor Paulo César Pinheiro, autor de “Matita Perê”, clássico da música brasileira, inspirado na obra do poeta. O programa contará com depoimentos do escritor moçambicano Mia Couto e da escritora e pesquisadora Ana Maria Machado.



17 / 7 / 2016
Poesia & Prosa com Maria Bethânia 
Episódio: JOÃO CABRAL DE MELO NETO










No terceiro episódio, é a vez de visitar o trabalho de João Cabral de Melo Neto (1920-1999). O poeta não se interessava por uma poesia que expressasse os seus sentimentos, mas que despertassem sentimentos no leitor. O professor Wander Miranda, que dá aulas de teoria literária e literatura comparada na UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e o cantor, compositor e escritor Chico Buarque de Hollanda são o convidados da edição. Ainda bem jovem, Chico fez algo impensável na época e musicou trechos do poema “Morte e Vida Severina”, de João Cabral de Melo Neto.



  
24 / 7 / 2016
Poesia & Prosa com Maria Bethânia
Episódio: CASTRO ALVES








A série é encerrada com Bethânia recebendo Alberto da Costa Silva, a professora de história e filosofia do colégio estadual Vicente Jannuzzi (RJ) Vânia Aparecida e o cantor e compositor Jorge Mautner para falar de Castro Alves (1847-1871), poeta que teve uma vida breve e intensa, morrendo aos 24 anos.“Navio Negreiro”, sua principal obra, descreve os horrores da escravidão. Bethânia recita esse poema e outros da fase romântica do escritor, como “Adormecida”. Ao lado de Mautner, ela entoa “Negro Blues.”





No hay comentarios:

Publicar un comentario