martes, 19 de julio de 2016

2006 - CARNAVAL EM PERNAMBUCO



"Realizei um sonho de infância. Queria muito conhecer a folia da capital pernambucana"  (C.V.)



Os homenageados principais do carnaval do Recife neste ano: o escritor Ariano Suassuna, paraibano de alma pernambucana e o cantor pernambucano Claudionor Germano

Ariano Suassuna (1927/2014)

Claudionor Germano e o prefeito João Paulo Silva




25/2/2006

Da Redação do PERNAMBUCO.COM

Caetano irá passar todo carnaval em Pernambuco

Símbolo do carnaval baiano, o cantor e compositor Caetano Veloso vai passar os quatro dias de carnaval em Pernambuco. Neste sábado, ele está no Galo da Madrugada, no camarote do Governo do Estado, onde chegou ciceroneado pelo cientista político Antônio Lavareda. A inesperada presença do cantor baiano, causou frisson no local.

No camarote, Caetano, que estava sem fantasia, destacou semelhanças entre o carnaval da Bahia e o de Pernambuco. “As pessoas chegam e brincam fantasiadas”, comentou.

A agenda de Caetano em Pernambuco inclui ainda os carnavais de Olinda e Bezerros, onde pretende ver os papangus.




 
 26/2/2006

Aparição de Caetano em Recife acaba com mistério baiano
 

SALVADOR (Reuters) - A aparição surpresa de Caetano Veloso em Recife na noite de sábado acabou com o mistério sobre o seu paradeiro neste Carnaval.

Desde quinta-feira, quando foi iniciado oficialmente o Carnaval em Salvador, Caetano não tinha aparecido e ninguém sabia ao certo o seu destino.

"Ninguém viu, ninguém sabe onde ele está", comentou à Reuters uma pessoa próxima ao cantor baiano no sábado à tarde. "Na casa dele, os telefones não atendem. Talvez tenha ido para Recife, ver o carnaval de perto." Na noite de sábado, Caetano --que já sentenciou que "atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu"-- surgiu sem avisar em Recife. Lá, para centenas de milhares de pessoas, dividiu o palco com Antonio Nóbrega e o escritor Ariano Suassuna.

A idéia de conhecer o Carnaval do Recife já era antiga. No Carnaval passado, logo após a separação da empresária Paula Lavigne, Caetano também não foi visto em Salvador e a especulação na ocasião era de que teria ido para Pernambuco."Ele está no Recife, eu acho", disse o ministro da Cultura, Gilberto Gil, à Reuters na madrugada de sábado, em Salvador. "Ele vem querendo ir há anos, espero que este ano tenha ido mesmo."

Caetano dispensou até um jantar organizado por Gil com Bono Vox, o líder da banda irlandesa U2, sensação internacional do Carnaval deste ano em Salvador.

Caetano sempre gostou de brincar o Carnaval em Salvador, desde os tempos em que os trios se reuniam na praça Castro Alves, e a única maneira de curtir a festa era pulando com a multidão. Em sem repertório, há uma vasta lista de canções compostas sobre e para o Carnaval da Bahia. 

"Eu diria que ele não faz falta no Carnaval (baiano), porque a presença dele é absoluta", concluiu o ministro, quando questionado sobre a ausência do amigo e parceiro musical na folia deste ano.






26/2/2006

JORNAL O TEMPO

Caetano estréia na folia pernambucana




 

RECIFE - De calça amarela e camisa de manga curta rosa choque, o baiano Caetano Veloso fez sua estréia no Carnaval do Recife realizando, segundo ele, um sonho acalentado desde a infância.


Acessível, simpático, ele está hospedado na casa do cientista político Antonio Lazareda, que trabalha para o governo Jarbas Vasconcelos, e pretende ficar até a quarta-feira.

"Quero ver o máximo que puder, principalmente o maracatu" afirmou 

Caetano, debruçado no camarote do governo do Estado, no centro da cidade, aguardando a passagem do Galo da Madrugada.

Pelo pouco que havia visto, ele acentuou as semelhanças do Carnaval pernambucano com o baiano. Lembrou que o Carnaval da Bahia teve grande influência do frevo de Pernambuco. O Axé, segundo ele, nasceu do frevo levado ao trio elétrico por Moraes Moreira e por ele próprio.


"Moraes Moreira é o pai e eu sou o avô do axé", afirmou. Cidadão pernambucano, Caetano disse que sempre adiava a vinda na época do Carnaval, por compromissos e pela dificuldade de deixar Salvador nesse período. "No ano passado tomei a decisão e aqui estou."




26/2/2006
Caetano chega de surpresa a Recife e canta com Nóbrega e Suassuna
MARCELO FAVALLI
Enviado especial a Recife


 

O anúncio dos shows de Claudionor Germano, Antonio Nóbrega e Elba Ramalho foi suficiente para lotar a praça do Marco Zero, no Recife Antigo, onde está montado o principal palco do Carnaval Multicultural da cidade. Mas a grande surpresa da noite não foi nenhum destes cantores. Caetano Veloso aceitou o convite do governo de Pernambuco e veio prestigiar a festa no tablado. De quebra, deu uma canja ao lado de Nóbrega.

Os espectadores responderam com aplausos entusiasmados. No entanto, Caetano não foi mais ovacionado que Ariano Suassuna, que também estava na tribuna de honra. O escritor, que é um dos homenageados do Carnaval recifense de 2006, atendeu ao chamado de Nóbrega, que o "intimou" a um dueto de um frevo de Capiba. Ao som do coro da platéia, que gritava o escritor, Suassuna cantou. Não sem antes desculpar-se pela voz "feia, baixa e rouca" que lhe é tão característica.

Em certo momento do show, estavam os três no palco: Antonio Nóbrega, Ariano Suassuna e Caetano Veloso. O compositor baiano acompanhou até onde pôde os passos de dança ágeis de Nóbrega. A cada 'frevada' de Caetano, o povo incentivava com aplausos.

Bem humorado, Suassuna disse que não podia acompanhá-los na coreografia. Perto dos 80 anos, o escritor comentou que sua idade já não permitia excessos. No entanto, a vibração do povo com relação ao desempenho de Caetano não garantiu um bis. O músico logo deixou o palco. Antes de partir, parou para um abraço em Elba Ramalho, que os sucedeu.

Depois de tantas surpresas, a platéia estava animada o suficiente para receber a paraibana com gritos eufóricos. Elba agradeceu a recepção com 'Banho de Cheiro'. E quem imaginava que a noite não tinha espaço para mais novidades encantou-se quando a banda Nação Zumbi pediu passagem pelo palco de Elba. Os roqueiros recifenses cantaram dois de seus maiores sucessos, tendo a baiana como segunda voz. Nos aplausos finais, depois que a Nação já tinha devolvido Elba ao público, a cantora terminou sua apresentação com o frevo "Vassourinhas".


com João Paulo Silva, prefeito do Recife




26/2/2006



Caetano Veloso rouba a cena no Carnaval Multicultural do Recife




Foto: Paulo Lopes


A cantora Elba Ramalho e o grupo SpokFrevo Orquestra encerraram a programação da noite do sábado de Zé Pereira (25), no Pólo do Marco Zero, por volta das 4h da madrugada deste domingo (26), no Bairro do Recife. Antes, o público foi ao delírio com as apresentações de Antônio Carlos Nóbrega, Claudionor Germano, e com a orquestra popular da Bomba do Hemetério. Mas no palco uma figura ilustre roubou a cena: o baiano Caetano Veloso assistiu ao show de Nóbrega, ao lado do prefeito do Recife, João Paulo, e dos homenageados do Carnaval Multicultural 2006, Ariano Suassuna, e Claudionor Germano.

Caetano Veloso disse que era a primeira vez que estava no Carnaval do Recife e esperava voltar outras vezes. Enquanto isso, mostrando que tem frevo no pé, o prefeito afirmou estar surpreso com o carnaval deste ano. “Já sabíamos que o Carnaval de 2006 seria uma grande festa, mas superou todas as minhas expectativas”.

A Orquestra Popular da Bomba do Hemetério e o Balé Popular do Recife, foram a primeira atração deste sábado. Segundo o Maestro Forró, a Prefeitura do Recife conseguiu atingir a multiculturalidade, ao reunir excelentes públicos e artistas nos vários pólos de folia. A orquestra foi fundada em 2001 e é formada por moradores da comunidade de Bomba do Hemetério. O Balé Popular do Recife subiu ao palco com 15 dos seus 22 integrantes. Entre eles, estava Tita Pereira que mesmo grávida de 5 meses não perdeu o ritmo. “O carnaval do Recife é maravilhoso, graças ao público que abrilhanta a folia” afirma a dançarina.

Claudionor Germano, homenageado do carnaval 2006, foi a 2ª atração a se apresentar nesta noite e estava bastante feliz por ter seu trabalho reconhecido. “O carnaval deste ano está excelente, a descentralização está oferecendo oportunidade para outros artistas apresentarem as suas obras e o seu talento” afirma o cantor. E os 18 integrantes da Orquestra do Maestro Spok se apresentou no show de Antonio Nóbrega e Elba Ramalho. Segundo Spok, só o carnaval é capaz de gerar a possibilidade de dividir o palco com outros artistas.

Antonio Nóbrega foi a 3ª atração da noite, o cantor afirmou que a possibilidade de reunir tantas personalidades no palco foi gratificante “A Prefeitura do Recife está de parabéns por oferecer a oportunidade dos artistas se apresentarem em vários pólos diferentes”. A ultima atração da noite foi Elba Ramalho, que tem apresentação garantida em todos os carnavais da cidade. “É uma responsabilidade muito grande animar o público daqui de Recife e dar continuidade ao show desse pólo”.







Caetano realizou o sonho de conhecer o Carnaval de Pernambuco e dançou frevo ao som de Elba Ramalho e Spok Frevo Orquestra



28/2/2006
Caetano Veloso se rende ao Maracatu de Pernambuco



Foto: Carlos Oliveira

Centenas de foliões que brincavam carnaval na Rua do Bom Jesus se renderam aos encantos e simpatia do cantor e compositor Caetano Veloso, que passa a Festa de Momo se revezando entre Recife e Olinda. Durante a apresentação do Maracatu Livre Batucada Badia, Caetano não resistiu ao som dos tambores e dançou ao lado da dama do passo e a sua calunga.
Nas duas horas em que permaneceu no Bom Jesus, Caetano acenou para o público, deu autógrafos, tirou foto com os fãs e assistiu o desfile de vários blocos. A foliã Maria Amélia ficou emocionada ao ver seu ídolo. “Nunca pensei que poderia ver Caetano Veloso tão de perto, estou bastante feliz”, afirmou.

Mas quem ganhou mesmo o carnaval foi a dama do passo, Flávia Izabel, que dançou com o compositor. “Dançar ao lado de Caetano foi uma emoção inexplicável, este carnaval vai ficar na memória”, falou a dançarina emocionada. Caetano ficou deslumbrado com o Carnaval do Recife e declarou: “os pernambucanos estão de parabéns”.
 






Encontro de Maracatu Rural é acompanhado por Caetano Veloso

 
Foto: Inaldo Lins



A magia e a tradição do Maracatu de Baque Solto (ou rural) tomou conta do Pólo Recife Multicultural, no Marco Zero, na noite deste domingo (26) de Carnaval, com o encontro de nove das mais tradicionais agremiações do Estado. O desfile, além de um público grandioso, foi prestigiado pelo cantor e compositor baiano Caetano Veloso, um dos ícones da Música Popular Brasileira.

Sentado no chão, ao lado de amigos, Caetano Veloso disse que era a primeira vez que assistia pessoalmente uma apresentação de Maracatu Rural. “Estou adorando, achando tudo muito bonito”, disse. Questionado se sua presença ali não seria uma retribuição ao título de cidadão pernambucano, concedido pela Assembléia Legislativa, o ano passado, ele disse que não. “Há muito tempo que me programo para assistir esse espetáculo. Fiquei muito feliz com o título de cidadão pernambucano, mas aquilo foi uma questão legal, oficial. Aqui não, aqui é a parte real, a cultura viva”, ressaltou.

A presença de Caetano também deixou alegre os brincantes do maracatu, ao ponto do baiano ser saudado por alguns mestres e contra-mestres durante as tradicionais “loas”, o que se repetiu em relação ao prefeito João Paulo. Passaram pelo palco do Marco Zero, nove maracatus de baque solto, sendo um do Recife, um de Olinda, e sete da zona da mata de Pernambuco. Um dos mais aplaudidos pelo público, o Cruzeiro do Forte, do Recife, deu destaque as cores verde e amarela, numa alusão a Copa do Mundo, no meio do ano. Também ganharam muitos aplausos a Piaba de Ouro, de Olinda, do Mestre Salustiano, a Leão da Mata, de Itaquitinga, e a Pavão Misterioso de Aliança.





6/3/2006

Revista ISTO É

Pernambuco - Blocos
Caetano cai no frevo

Mariane Morisawa

O músico baiano fez sua estréia no Carnaval pernambucano, que também atraiu artistas como Dado Dolabella, Karina Bacchi e Juliana Paes

A marca do Carnaval de Pernambuco é ser multicultural. Tem maracatu, tem frevo, tem rap, tem rock, tem música eletrônica. Foi isso que fez Caetano Veloso finalmente conferir a folia do Estado, um sonho antigo. O cantor e compositor baiano estava desacompanhado e aproveitou bastante. Esteve no camarote do governo do Estado para ver o maior bloco do mundo, o Galo da Madrugada, que reuniu 1,6 milhão de pessoas, no sábado 25. Dançou muito frevo ao som de Elba Ramalho e Spok Frevo Orquestra e viu o encontro de nove nações de maracatu rural.



No dia seguinte, sentou-se no chão para assistir ao show do Cordel do Fogo Encantado, acompanhado pela mulher do vocalista Lirinha, a atriz Leandra Leal. O Galo também atraiu outros famosos: Cauã Reymond e Nívea Stelmann se divertiram vendo a multidão de um camarote; Karina Bacchi e Dado Dolabella desfilaram em cima do trio elétrico. “Estou me sentindo a Ivete Sangalo. É muita energia”, disse Karina. Juliana Paes também esteve num trio no Galo, além de visitar o Carnaval de Olinda. “Fiquei impressionada com o Galo. Sempre achei que era só uma rua (a avenida Guararapes), só que não. Me senti uma areiazinha”, disse a atriz.




Quanta Ladeira leva seu humor e irreverência ao Bairro do Recife


Foto: Inaldo Lins

Um dos blocos mais bem humorados e irreverentes de Pernambuco – o Quanta Ladeira, fez centenas de pessoas dançarem e rirem, no final da tarde deste domingo (26), no Pólo Mangue (Cais da Alfândega), ao som de suas músicas repletas de sátiras políticas e letras engraçadas. A festa, que tem Lenine, Silvério Pessoa, Zé da Flauta e Lula Queiroga como anfitriões, trouxe como convidados Caetano Veloso, Zélia Duncan, Vanessa da Mata, Antônio Carlos Nóbrega e Mart’nália. A agremiação estava acompanhada pela percussão do Batuque Usina. “Todo ano nos esforçamos para que o bloco seja uma m... mas as pessoas continuam prestigiando”, afirma, com seu deboche, o músico Zé da Flauta.

O prefeito do Recife, João Paulo, prestigiou o bloco. Assim que chegou ao pólo foi logo saudado com uma paródia – marca registrada da agremiação. O prefeito entrou na brincadeira e cantarolou durante a apresentação. Além dos velhos sucessos como Saudades do Recifolia e Pires, o destaque ficou para os novos hits. Uma paródia da música A festa de Santo Reis, de Tim Maia, que satiriza o cantor Nando Reis. Os outros alvos foram o jornalista Francisco José, Ariel Sharon e até a confusão recente de caricaturas sobre Maomé. “Estou amando esta irreverência do Carnaval do Recife”, disse Caetano Veloso, que este ano escolheu a capital pernambucana para passar os quatro dias da Folia de Momo.

O bloco também contou com a presença do vice-governador de Pernambuco, Mendonça Filho, do secretário de Planejamento do Estado, Raul Henry, do superintendente da Anvisa, Jarbas Barbosa e dos secretários municipais de Gestão Estratégica, Lygia Falcão, e de Cultura, João Roberto Peixe.

O grupo Quanta Ladeira sai há nove anos pelo Bairro do Recife e se transformou, rapidamente, em um bloco de multidão. Tudo surgiu de uma brincadeira do folião Lenine e sua turma. Para o ano que vem, quando o bloco completa dez anos, está sendo estudada a possibilidade de lançar um CD com as principais paródias do grupo. O homenageado do Quanta Ladeira deste ano é Dr. Shooll, o famoso podólogo.









O cantor Alceu Valença em performace emocionante


Foto: Nathalia Duprat


No hay comentarios:

Publicar un comentario